RTP – Fátima Campos Ferreira e António Barreto

Depois de 18 anos de Prós e Prós e Contras e Contras, conforme as conveniências, a D. Fátima, enquanto aguarda a canonização pela Igreja de Roma, na véspera do aniversário das bem-engendradas aparições de que tem o nome, serviu como primeiro convidado do programa, “Primeira Pessoa”, uma assombração – António Barreto.

O ex-emigrante que usa o pseudónimo de ex-exilado e aceita ser referido por socialista, desde que Mário Soares o vestiu de ministro da Agricultura e se convenceu de que tinha queda política, é o homem de mão das televisões reservado para combater as esquerdas.

Foi este sociólogo, a quem Marcelo outorgou o mais alto grau da Ordem da Liberdade, por erro de perceção, confundindo devoção ao Liberalismo com amor à Liberdade, que a D. Fátima levou ao seu novo programa, “Primeira Pessoa”.

Entre vários atributos, foi referido que “até já foi, no passado, apontado como possível candidato a Presidente da República”, ficando aquém do Tino de Rãs que foi mesmo.

Para não gastar mais cera com tão ruim defunto, deixo o esboço biográfico da primeira pessoa que Dona Fátima exibiu e a quem, há três anos, fiz o currículo quando mais uma venera coloriu o carrancudo provinciano a quem a sisudez acrescenta gravidade.

***

«Que sentirão os capitães de Abril e outros combatentes da liberdade?

António Barreto, com sinuoso percurso político, nunca foi um combatente da liberdade, mas recebeu no último 5 de Outubro, à semelhança de Cavaco Silva, o mais alto grau da Ordem da Liberdade, também por outorga do PR Marcelo Rebelo de Sousa.

Militante do PCP de 1963 a 1970, na Suíça, para onde fugiu à guerra colonial, deixou o partido comunista porque não estava suficientemente à esquerda.

Só regressou a Portugal depois do 25 de Abril, para apanhar o comboio do poder através do PS, de onde saiu para apoiar como ‘Reformador Democrático’ a AD, liderada por Sá Carneiro, contra a esquerda.

Regressou ainda ao PS para ser deputado (1987/91) e, depois de frustradas as ambições de líder e ideólogo, afastou-se definitivamente para a área afetiva ao serviço da qual é comentador avençado. Exerce, aliás, um direito, que lhe rende bons proventos, e cultiva uma fachada de isenção partidária.

Nessa circunspecta postura mereceu o mais alto grau da Ordem Militar de Cristo, a Grã-Cruz, pelo incógnito democrata Cavaco Silva, e acabou a receber idêntica distinção da venera que devia ser reservada a quem se sacrifica pelo valor de que recebe o nome.


Que sentirão os heroicos capitães de Abril a quem devemos, por inteiro, a liberdade que nos devolveram e que tão poucos foram os condecorados com tão elevado grau?

Que sentirão os presos políticos, os torturados, os militantes clandestinos, os homens e mulheres que viram as vidas desfeitas, as liberdades cerceadas, os empregos perdidos e as famílias ostracizadas, no combate à ditadura fascista?

Que sentirão as famílias de assassinados, deportados e exilados, que viveram o medo, a raiva e o desespero, que sofreram a fome, a repressão e o desprezo de quem não teve a coragem de enfrentar e afrontar o salazarismo?

À medida que nos conformamos com a amnésia coletiva, que transforma em benemérito quem trata da vida, em herói quem aparece depois de passado o perigo e como exemplo de cidadania os narcisistas, estamos a aceitar a reescrita da História, o branqueamento do passado e a reabilitação de trânsfugas sob a capa de independentes.

Não há pachorra!» ( 07-09-2017)

Equipa de vendas da Direita

Comentários

Jaime Santos disse…
António Barreto é daquelas figuras que nunca consegue abandonar o ar sobranceiro de alguém a quem a Pátria não merece. Nem sequer tem a graça de Vasco Pulido Valente, que não se levava demasiado a sério (e cuja obra é inegavelmente superior). O ex-Ministro da Agricultura não.

Ele deveria saber que o inimigo adora a traição mas odeia o traidor. Foi por isso que ele nunca passou de uma figura menor pelos lados da Direita.

Ele deve andar a matutar por que razão é que, se a nossa Direita e ele são tão inteligentes, Liberais, Cosmopolitas, etc, o povo lhes paga com a ingratidão da Oposição e persiste em eleger esse Partido de corruptos esquerdistas a que ele pertenceu, o PS.

A resposta estará provavelmente no facto de quem nem eles são nada do que se julgam, nem o PS (o Partido da Liberdade e da Democracia) é tão mau como o pintam. E depois, ao menos os Socialistas têm o coração do lado certo (bate naturalmente à Esquerda).

Aconselha-se a que se estabeleça em Oxford, seja feliz e de preferência não volte... Não há mesmo pachorra...
Jaime Santos,

«Ele deveria saber que o inimigo adora a traição mas odeia o traidor. Foi por isso que ele nunca passou de uma figura menor pelos lados da Direita.»

Excelente observação. Obrigado.
Jaime Santos disse…
Penso que é uma observação óbvia, Carlos Esperança. Já vi comunistas e ex-maoístas a transitarem para o PSD, nunca vi nenhum ex-Socialista que tivesse por lá singrado. O PS é um Partido que resulta de uma coligação improvável de maçons republicanos, ex-comunistas (Soares), ex-esquerdistas (Sampaio), social-democratas a sério (como António Costa que nunca foi outra coisa) e católicos progressistas (o saudoso Salgado Zenha e António Guterres).

O PSD é um Partido que provavelmente odeia muito mais os maçons que quaisquer outros (a tradição do PS também é anti-comunista, aliás). O que lhe está mesmo na massa do sangue é o espírito dos caciques do Estado Novo, mau grado as elites que o fundaram. O líder político que melhor o representa não é Sá Carneiro e sim Cavaco Silva...

Obviamente, com a profusão das lojas, claro que hoje aceita maçons como Luís Montenegro ou Miguel Relvas. Nem quero imaginar o que pensariam deles pessoas como António Macedo ou Manuel Tito de Morais...

Isso deveria servir de aviso sério a Sérgio Sousa Pinto, que parece que caminha a passos largos para passar de enfant-terrible da JS e defensor de causas fraturantes na sua juventude a nouveau-réactionnaire na atual meia idade.

Não me convencia na época e também não me convence agora. É outro, como Barreto, que o que quer mesmo é aparecer...

Mensagens populares deste blogue

Insurreição judicial

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime