OE/2021

Discute-se o Orçamento perante a pandemia que já consumiu uma década de reservas de pensões e, em cada dia que passa, se desatualiza e aguarda um Orçamento Retificativo que, de novo, abrirá feridas nos partidos que viabilizaram o Governo que pôs fim ao cavaquismo e à deriva neoliberal de Passos Coelho e Portas.

Há razões ideológicas que fraturam as esquerdas, e há outras que não se compreendem. Não parece ser de esquerda a exigência generalizada de aumentos salariais e de pensões perante uma queda do PIB de dois dígitos.

Aumentar os mínimos de salários e pensões é solidariedade, aumentar percentualmente todos é oportunismo eleitoral e agravamento do fosso salarial, já obsceno, e que deviam ser as esquerdas, no seu conjunto, a procurar a sua redução.

As eleições presidenciais vieram inquinar a discussão orçamental e não surpreende que a ligeira alteração da correlação de forças que estas eleições provocam seja o princípio de um terramoto nas legislativas.

Quando, à força de se querer conquistar o eleitorado com o Orçamento de Estado, se vai cavando o fosso entre quem legisla e quem é governado, corre-se o risco de os eleitores migrarem para a abstenção ou acantonar-se à sombra de demagogos que lhes prometem a paz dos cemitérios e a liberdade do silêncio e da repressão.

São inegáveis as clivagens entre os partidos de esquerda, e há sempre quem se engane no ruído que faz e nas manifestações de força que gosta de exibir. Há quem não entenda que o Orçamento não é elástico e os eleitores, sabendo pouco de macroeconomia, sabem de microeconomia o suficiente, para extrapolar. 

O partido que o eleitorado considerar responsável pela chantagem e irredutibilidade na aprovação deste OE será inexoravelmente punido nas urnas e a perceção vai depender menos da realidade do que da aparência e da leitura que os média fizerem.

O BE obteve nos Açores o que parece ser seu desígnio, derrubar o PCP, cuja falta se há de sentir, e, tornou-se irrelevante na formação do governo regional. No País, depois de declarar o voto contra o OE, na generalidade, tornou-se tóxico, responsável pela entrega da decisão orçamental ao PSD. Ninguém esquece que o País está perante a maior crise económica, financeira, social e sanitária de um século e cujo desfecho é imprevisível.

Quanto mais incerto é o futuro maior é a volubilidade dos eleitores e é fácil adivinhar as transferências de voto provocadas pela rivalidade dos partidos de esquerda.

Até os apoiantes se cansam.

Comentários

Amofinado disse…
Nestas presidenciais, estas esquerdas parecem estar satisfeitas com a recandidatura do atual presidente. Ou apoiam, ou apresentam candidatos só para cumprir programa. Unirem-se para eleger outro presidente, de esquerda, era o que faltava. Têm outros interesses, obviamente.
E deixar passar um orçamento na generalidade, nas circunstâncias que o texto bem descreve, só se daí lhes advier vantagem.
O que não precisamos no actual contexto é de teatralização, de grilinhos falantes ou de grilinhas falantes. Já não há pachorra!
Amofinado:

E acha possível fazer frente ao atual PR?

Tal como Cavaco mandou votar em Mário Soares, o que ele certamente não fez, também agora António Costa poupou o PS a uma derrota sem levar um voto a Marcelo.

Eu votarei sempre num candidato de esquerda e, desta vez, posso escolher.
Amofinado disse…
Realmente, eu não sei se é possivel fazer-lhe frente. Mas sei que se deve, pelo menos, tentar. Em nome da democracia. As eleições não podem ser um mero jogo em que cada (dirigente de) partido avalia o que se pode ou não se pode ganhar. E mesmo que fosse apenas um jogo, a obrigação é não se considerar derrotado à partida.
Os candidatos que o BE e o PC escolheram, nem sequer entram no eleitorado alheio. Juntamente com o PS, estão propositadamente a cumprir calendário, a estender a passadeira ao actual PR ..
E os eleitores, aqueles que se vão revendo nos partidos, não merecem mais do que estas desistências, estas visões partidárias ?
Amofinado disse…
Afinal, já estava escrito nas estrelas, perdão, na Estrela, o voto contra … para o BE ficar “numa posição forte” e o PC passar a ter um papel interveniente.
A partir do minuto 13:35 ouvimos aqui:

https://sicnoticias.pt/opiniao/analise/2020-10-23-Dificuldades-do-SNS-StayAway-Covid-e-eleicoes-nos-EUA.-O-Tabu-de-Francisco-Louca

- “… mas, para essa convergência política não seria mais coerente uma outra posição para depois da generalidade conseguir aqui ganhar outras exigências …”
- “ Isso veremos! Repare, há aqui uma … é preciso que as condições do debate da generalidade e depois da especialidade que é o que vai ocorrer sejam determinantes de uma política consistente nestas matérias … agora eu acho que neste fim de semana todos vão ficar contentes: o governo está contente porque passou o orçamento na generalidade, o PCP passa a ter um papel interveniente e porventura decisivo no debate da especialidade e eu acho isso muito positivo, acho isso extraordinariamente importante … …
… … e o Bloco fica numa posição forte porque pode pressionar nas questões mais decisivas … …”

Mensagens populares deste blogue

Insurreição judicial

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime