O PR e as eleições legislativas

Só quem acredita na maioria absoluta do PS ou do PSD, com ou sem coligações, onde o novo PDR pode ser a surpresa que todos calam, não está preocupado com a aprovação do inevitável Orçamento Retificativo, sem o qual este Governo nunca passou, e do OE-2016.

Cavaco Silva, cúmplice deste Governo e desta maioria, será o único responsável por uma turbulência que pode agravar de forma insustentável a situação política, económica e financeira do País, deixando-o sem OE aprovado, a estrebuchar em duodécimos.

Não sei se, na sua dependência desta maioria e deste Governo, sonha com a vitória deste PSD/CDS para acusar a oposição, inevitavelmente maioritária, de não deixar governar quem mostrou total inépcia ao longo do infeliz mandato e jamais somará 116 deputados.

A central de intoxicação teria então tempo para substituir o inenarrável Passos Coelho e de lançar as culpas do desastre para as oposições, como o salazarismo fazia com o PCP. O PR só quer deixar quem lhe limpe o passado e lhe dê tranquilidade no futuro.

O frenesim presidencial foi a casca de banana que os estrategas da direita afinaram para os inocentes úteis e a cumplicidade de aliados do Governo, com as eleições legislativas a perderem a excecional relevância própria para que os alquimistas da experiência ultraliberal passem pelos pingos da chuva  no primeiro escrutínio do ciclo eleitoral.

O PR, que foi membro suplente deste Governo, levará até ao fim o desastre que lhe foi destinado. O país está depois.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

A ânsia do poder e o oportunismo mórbido

Nigéria – O Islão é pacífico…

Macron e a ‘primeira-dama': uma ‘majestática’ deriva …