Deferência e cumplicidade com as crenças

Nenhum credo tem o monopólio da violência e da crueldade, mas só a repressão política sobre as crenças irracionais, que a fé perpetua, conseguiu erradicar o tormento que a «vontade divina» infligiu, desde sempre, aos povos dominados pelo clero das diversas religiões.

Não foi a bondade das crenças ou a dos seus zeladores que contribuiu para abolir o esclavagismo, a tortura, a pena de morte, a discriminação da mulher, os autos-de-fé e muitas outras tradições que causaram indizível sofrimento ao longo dos séculos.

As cruzadas, a jihad e o sionismo não são tragédias devidas à má interpretação de textos ditos sangrados, foram e são a dolorosa consequência de serem levados a sério.

A crença hindu de que o casamento de uma viúva é um acto abominável e de que devia acompanhar o defunto para a pira funerária, desafiando a lei, aumentam um intolerável sofrimento à desgraça da divisão em castas e ao carácter sagrado das vacas.

A lapidação de um casal de alegados adúlteros, no Afeganistão, acrescenta, à tragédia que representa a retoma do poder pelos talibãs, o recrudescimento de crenças que a dignidade humana e a liberdade individual não podem consentir.

Este caso não é um acto bárbaro isolado, faz parte dos códigos morais e da tradição de países como a Arábia Saudita, Nigéria, Sudão, Somália, Iémene, Iraque, Paquistão e outros. É um hábito milenar em diversos países islâmicos, praticado em público, para gáudio das multidões. São vários os países, desde o Egipto à Turquia, onde vastos sectores da opinião pública anseiam pelo restabelecimento da sharia com a mesma desvairada fé e incontido júbilo com que os cristãos queimavam bruxas e hereges.

Pio IX afirmou que a religião era incompatível com a liberdade e o livre-pensamento, tal como pensam hoje mullahs, aiatolas e, quiçá, o seu actual sucessor, mas o mundo não pode ficar á mercê do deus que o clero quer impor contra a herança do Iluminismo.

Ponte Europa / Sorumbático

Comentários

Zé dos Papéis disse…
É por estas e por outras que a minha tolerãncia, receio, começa a ter um limite (poderá ela ter um limite?)... o islamismo!
Ou estarei eu a tornar-me, por igual, intolerante?

Mensagens populares deste blogue

Vasco Graça Moura

A lista VIP da Autoridade Tributária