A Irmã Lúcia e o Quincas

A Irmã Maria Lúcia de Jesus e do Coração Imaculado, Lúcia para os amigos, íntima da Senhora de Fátima, morreu carregada de anos e de visões a 13 de fevereiro de 2005.

Em 19 de fevereiro de 2006 foi trasladada para a Basílica de Fátima onde foi sepultada junto dos primos, Francisco e Jacinta, adiantados no processo de santidade devido à precocidade na defunção. Chovia. As bátegas não pararam de fustigar os peregrinos. As novenas dos padres não conseguiram que S. Pedro contrariasse a meteorologia.

Não foi a inutilidade das rezas ou a ausência de Deus que dissuadiu os crentes, alagados de fé e chuva até aos ossos, de estarem presentes na segunda edição do funeral de Lúcia.

Não houve na repetição das exéquias fúnebres a saudade genuína das prostitutas de S. Salvador da Baía a passearem o cadáver do Quincas Berro D’Água, nas ruas em cujos botequins devorou cachaça com a mesma sofreguidão com que as beatas chupavam hóstias.

A freira, a quem o terrorismo religioso do catecismo induziu alucinações, nunca terá um Jorge Amado que a celebre em «A morte e a morte da Irmã Lúcia, vidente».

O Quincas, quando devorou, de um só trago, água em vez de cachaça, deu tal berro que passou a ser carinhosamente tratado por «Berrinho» e fez-se personagem de romance. Lúcia comungava por hábito e obrigação pia, mantinha olhos vagos e a postura de quem vive morta por dentro envergando como mortalha o hábito.

Quincas é o delicioso personagem que diverte e comove o leitor de «A morte e a morte de Quincas Berro D'Água», marginal que viveu a vida, pecador que amou e foi amado.

Lúcia é o exemplo trágico de criança pobre, fanatizada com orações e amedrontada pelo Inferno, que sonhou virgens nas azinheiras, cambalhotas do Sol no caminho das cabras, profecias de conversão da Rússia e churrascos de almas para absentistas da missa.

A criança amestrada com pios embustes sobre o divino tornou-se cadáver de estimação, acolitada pela força pública, a viajar com padres, bispos, freiras e romeiros, num cenário com quatro missas, orações pias e um futuro promissor de oferendas de gente aflita.

Não foi o final da história de uma encarcerada de Deus, foi o início da caminhada para a santidade, à espera de milagres e oferendas que hão de alimentar funcionários de Deus e manter Fátima como uma das mais lucrativas sucursais do Vaticano.
A fraude não acabou, começou um novo ciclo. Faz hoje 10 anos que iniciou a etapa da santidade.

Comentários

andanças disse…
amigo
fantástica a sua ironia..demolidora de atualidade
aquele abraço de sempre
Luciano leal
Andanças:

Olhe que são factos!
José Lourenço disse…
Essa mania de espreitar o quintal do vizinho. Já bem diz o povo que quem desdenha quer comprar.
Julio disse…
Em Maio de 2013 queimaram-se 32 toneladas de velas de cera em Fátima.
Deve ter ficado por aí à volta de cinco milhões de Euros em lucro.
Não contando outros artigos periféricos, como terços, medalhas da santa, àgua benta e OURO deixado pelas vítimas.
.
E quanto a CRIANÇAS DESAPARECIDAS?
A "nossa Senhora" encontrou alguma?...
Lembram-se da pequenita Madeleine McCann?
Pediram à merda da "nossa" Senhora para dar uma ajudinha, mas nada!
NADA!!
Nem a dinheiro ela ajudou!
.
E o povo estúpido e bossal continua a sustentar o parasitismo da maior seita do mundo - a do papa.
Valha-nos Deus...

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

A ânsia do poder e o oportunismo mórbido