Petição ACABAR COM ABORTO GRATUITO

Para: Governo e Assembleia da República

Chegou-me no fim de semana, em correio eletrónico, o convite para assinar uma petição para acabar com o aborto gratuito, uma solicitação ao destinatário errado. Logo me veio à memória a minha vizinha, D. Efigénia, amiga da missa e da hóstia, que adoeceu com o resultado do último referendo sobre a IVG.

No período que precedeu o Referendo da IVG papou a missa diária, deixou queimar o arroz três vezes, vazou-lhe a sopa outras tantas e incendiou-se-lhe o fogão quando se distraiu a rezar a salve-rainha. Até o bolo de chocolate que fizera para o filho, que vinha de fim-de-semana, se esturrou quando rezava o terço no oratório do quarto.

A D. Efigénia dizia-me que era uma pena eu não ir à missa, tão boa pessoa, até rezava pela minha conversão e não se desencorajava de ver-me subir as escadas da igreja da paróquia, entregue a uns frades depois de começarem a escassear os padres seculares.

A D. Efigénia nunca pensou perder o Referendo, era pela vida, sabia que a Senhora de Fátima andava a desfazer-se em lágrimas de sangue, estranha hemorragia ocular de uma imagem pia, e que não permitiria que as forças do mal vencessem.

Aliás, ela bem sabia como os portugueses são atreitos ao medo do Inferno, embora este tivesse sido abolido, e como sentem a falta das cantorias e do padre no funeral. Sorria feliz com o Cânone 1331 que excomungaria os que votassem SIM no Referendo: «não poderiam casar, batizar-se nem ter um funeral religioso».

Julgava a boa da D. Efigénia que o medo era suficiente para dar a vitória à Senhora de Fátima, ao seu amado filho, ao pai do Céu e a todos os que se preocupam com pecados.

Quando soube que 2.338.053 eleitores desprezaram as orações, missas, novenas, terços e outros pios demonífugos, deu em cismar que Deus não existia, a senhora de Fátima era uma invenção, os anjos não voavam e os padres eram funcionários de uma empresa cujos produtos não têm certificado de garantia nem prazo de validade.

A D. Efigénia ainda se benze mas julga que alguns defensores do Não são proprietários de clínicas clandestinas e que a despenalização do aborto lhes prejudicou o negócio.

Entre a salvação da alma e a reflexão, a D. Efigénia ainda hoje hesita e se aflige, adoece e cisma, e nunca mais rezou um pai-nosso. Tem muitos na conta e não resultaram, até se convenceu de que o aborto não é sacramento e pode ser feito sem a ajuda eclesiástica.

Se esta petição lhe chegar, não sei como reagirá, oito anos após a última deceção. Com a saúde precária e a fé abalada, temo pelo seu futuro mas estou em crer que o remetente me confundiu com a D. Efigénia e me mandou a petição que lhe era destinada.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

A ânsia do poder e o oportunismo mórbido

Nigéria – O Islão é pacífico…

Macron e a ‘primeira-dama': uma ‘majestática’ deriva …