Eusébio e o Panteão


Eusébio teve os melhores pés de um país onde as cabeças pensavam o que pensava o chefe, e não eram precisas, ou pensavam de forma diferente, e eram indesejáveis.

Num país com 40% de analfabetos, o salazarismo aproveitou o virtuosismo do atleta e a voz de Amália para esconder a mais alta mortalidade infantil e materno-fetal da Europa, a mais clamorosa miséria e a ditadura clerical-fascista.

Hoje, a democracia rende-lhe homenagem numa unanimidade suspeita, através dos seus legítimos representantes, na A.R.. Nada acrescentaram ao prestígio do atleta e reincidem na demagogia que esconde problemas dramáticos do País e a tragédia para que o mundo se encaminha.

Depois de Amália, Eusébio. Portas já convidou o Papa a visitar Fátima no 1.º centenário das alegadas aparições marianas, um número repetido em numerosos países católicos e nunca ocorrido em países protestantes, ortodoxos, judeus ou muçulmanos, em estranha preferência que faz lembrar os partidos do Governo a nomear militantes.

Foi lenta a caminhada desde o 25 de Abril mas, de novo, a trilogia ressuscita: Fátima, futebol e fado, quando outros efes nos atingem.

Comentários

castrantonio disse…
Com todo o respeito por Amália e Eusébio, mas ou é da minha vista ou os barrotes estão tortos...

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

Efeméride – 30 de outubro de 1975