O ex-banqueiro é um ingrato

Depois de ser preparada em sua casa, em lauto jantar, a primeira candidatura de Cavaco Silva à presidência da República, repasto para o qual os anfitriões convidaram também os casais Marcelo e Durão Barroso, pensou que, nove anos depois, os vários apoios à candidatura exigiam mais do que uma declaração vigorosa sobre a solidez do BES.

O PR já negou que alguma vez se tivesse referido ao BES, problema de memória que o País lhe pode avivar. Ricardo Salgado prejudicou gravemente o País com as trapalhadas do GES/BES, fala-se em mais de 20 mil milhões de euros, perdas violentas de postos de trabalho e perda da credibilidade bancária do País. Devia ainda apresentar desculpas do patrocínio à candidatura de um PR com tão débil memória.

Não admira que as preocupações com o seu Governo lhe causem danos, pois recorda-se do respeito dos chefes de Estado e de Governo pela forma como agora se comportam os portugueses, ao contrário do que sucedia antes. Que bela figura de estilo, esta de chamar portugueses ao Governo! (Declaração de sexta-feira).

Difícil é lembrar-se de como adquiriu as ações da SLN, de quem o alertou para tão rico negócio, a si e à encantadora filha, ou saber em que notariado fez a permuta da Vivenda Mariani (Mari(a) + Aní(bal), nome carinhoso que ficou no imóvel que a casa da Coelha substituiu.

Mas a prova mais cabal do estado lastimoso da memória é ter-se esquecido da ida à Pide a preencher uma ficha onde indicou mais uma testemunha do que as duas pedidas para o abonarem como pessoa de confiança do regime, a fim de aceder a uns documentos para os seus trabalhos académicos. Estava tão nervoso que escreveu «à» onde se exigia «há».

Quem um dia passou pela Pide, mesmo com passaporte, num simples posto de fronteira, jamais esqueceu a atrapalhação e o terror perante o olhar dos agentes, mas quem um dia entrou num posto da Pide ficou com medo, raiva, ou ambos, gravados para sempre. Não precisava de ser torturado.

Só uma alma boa pode ter entrado numa delegação da Pide e esquecer. Talvez por isso tenha concedido pensões a pides, por relevantes serviços à Pátria, quiçá convencido de estar a recompensar filantropos de uma instituição de beneficência.

Não se pode confiar mais num banqueiro que nos roubou do que no PR que nos impôs a dilação do Governo até ao limite máximo do prazo de validade constitucional, depois da demissão irrevogável do líder de um dos partidos cúmplices. 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

A ânsia do poder e o oportunismo mórbido