O Islão e a teologia do cabotinismo

Pegue-se numa cópia grosseira do cristianismo, com laivos de judaísmo, e faça-se um manual terrorista ao gosto de um beduíno boçal de há 14 séculos. Intoxiquem-se nele os povos e constranjam-se, torturem-se os réprobos e aliciem-se os devotos com rios de mel e virgens ansiosas. Produzem-se dementes fanáticos, embrutecidos pela fé.

Algures, no que resta do Iraque, entre os rios Tigre e Eufrates, onde nasceu a escrita e a civilização teve berço, despertaram selvagens em estado místico, primatas adestrados no uso de utensílios e armas sofisticadas, aptos a recriarem o habitat da Idade do Bronze.

Um dia servem-nos decapitações; no outro, assassínios; depois, homens enjaulados a arder lentamente ao som de gritos selvagens: “Deus é grande e Maomé o seu Profeta”.

É fácil identificá-los pelo aspeto simiesco, desprezo das fêmeas, comprimento dos pelos nas trombas e, sobretudo, pelo desprezo da vida e ódio à modernidade.

Bandos ensandecidos, suspeitando da inspiração do demo na arte assíria, destroem, com marretas e martelos pneumáticos, obras únicas, três milénios de arte preservados no Museu de Mossul, com a sanha com que queimaram milhares de manuscritos e de livros raros na Biblioteca Municipal. Viram infiéis nos sumérios e assírios e quebraram tábuas de gesso com escrita cuneiforme, com mais de cinco mil anos; na cabeça esculpida, da época suméria, imaginaram o busto de Maomé com um turbante carregado de bombas e partiram-na; e, no boi alado com três mil anos, divindade assíria, adivinharam escárnio ao arcanjo Gabriel fabricado na rotativa do Charlie Hebdo, e reduziram-no a cacos.

Há, nesta tragédia cultural, na metáfora do mais perverso monoteísmo, um apelo à raiva, à revolta e ao repúdio civilizacional contra a barbárie.

Comentários

Cristianismo,judaísmo,islamismo são as três religiões do Livro.Primas,senão irmãs.As críticas a uma são válidas para as três.
Nada foi tão prejudicial para a Humanidade quanto as religiões.
e-pá! disse…
A destruição do museu de Mossul importante repositório de civilizações pré-islâmicas choca qualquer ser humano independentemente de ter ou não credo.
Observou-se em Mossul uma bárbara manifestação que configura uma tragédia civilizacional, muito para além de uma bárbara ou singular expressão de 'terrorismo cultural'.
Os jihadistas e as selváticas manobras que desenvolvem para a instalação do seu pretenso califado enveredaram decisivamente pela senda de 'justificar' (à volta do seu Deus) a perpetração de horrendos crimes contra a Humanidade (que não começam nem acabam na devastação do museu de Mossul) e a reacção a esta intolerável acção devastadora deve mobilizar o Mundo.
Não é um problema do Ocidente, nem da civilização ocidental...

Mensagens populares deste blogue

A ânsia do poder e o oportunismo mórbido

Nigéria – O Islão é pacífico…

Macron e a ‘primeira-dama': uma ‘majestática’ deriva …