Marcelo e o PR

Há entre Marcelo e o PR a difícil convivência onde é difícil distinguir o comentador e o PR, o zelador do regular funcionamento das instituições e o ‘agitprop’ que as perturba, o garante da laicidade da CRP e o crente, em voo picado, a oscular anelões episcopais.

Marcelo não falha com a selfie a um colecionador de retratos, com o ósculo a um rosto sofredor, uma venera a um peito inchado, uma declaração a jornalistas que o seguem, o afago a um sem-abrigo ou o auxílio à profissional da caridade que exibe as esmolas que distribui.

Marcelo vai a missas de sufrágio, a fogos e inundações, a banhos a praias, fluviais ou de mar, a funerais e tomadas de posse, a imposição de veneras, e faz declarações a todos os jornais, diários ou de parece, canais de rádio e televisão. Diz o que as pessoas querem e gostam, tem respostas para tudo e, se não agradam, tem outras.

O narcisismo de Marcelo colide com a função, o desejo de consideração choca com a compostura e a avidez de poder com a intromissão nas funções do Executivo e pressão ilegítima na vida partidária.

O PR não pode pressionar a viabilização do Orçamento de Estado nem indicar partidos que o devam fazer, “as forças que estiveram na base do apoio ao anterior governo”, e não deve, a cada desastre, censurar o Governo. Apenas lhe cabe dissolver a AR, ouvido o Conselho de Estado, sem recados próprios ou por Conselheiro alheio, se entender que o regular funcionamento das instituições está em risco.

Quando há duas catástrofes guarda uma em agenda, o que não é grave. Grave é ir dizer às populações do Baixo Mondego, 'isto não é só a natureza, em Lisboa fizeram asneiras', quando o ministro do Ambiente, alertou – e bem –, para riscos de construção em locais inundáveis, quando 200 milhões de pessoas terão de ser evacuadas neste século, em todo o mundo, pela subida das águas do mar.

La Palice também diria que as cheias no Baixo Mondego são "um problema nacional" que exige soluções ..., sem precisão de procurar as soluções que exige a’ “os senhores de Lisboa” que estão “sentados à secretária”, para acrescentar em piedosa emoção que “Só vendo é que se tem a noção daquilo que pela televisão já impressiona”.

Há dias disse que 18 mil milhões de euros para o Estado apoiar o sistema financeiro na última década “não foi uma boa solução”, mas evitou o “colapso da economia nacional”. Afinal, foi má solução ou seria pior o colapso da economia?

Segundo o FROB, do resgate da banca espanhola são já considerados perdidos 45.640 milhões para o Estado do total de fundos injetados, 58.685 milhões de euros, 4,86% do PIB. Se não foi boa solução, seria melhor o colapso da economia espanhola?

O PR tem de afastar-se de Marcelo para acabar com dignidade o mandato. Compreende-se o pungente lamento de quem votou nele.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime

Tunísia – Caminho da democracia ou cemitério da laicidade ?