Xeque à União Europeia

Boris Johson teve uma vitória estrondosa, Jeremy Corbyn o que merecia. Ambos eram adversários da UE, ganhou o mais genuíno.

A partir de janeiro a Europa fica isolado pelo Canal da Mancha e a respirar pelo túnel. É aí que começa o divórcio, com cônjuges separados, muitos bens para discutir e dividir, e demasiados sarilhos a enfrentar. O xeque à União Europeia terminará com xeque ao rei, se a rainha não for eterna.

Boris é um extremista inteligente, culto e sofisticado, que só a mitomania o assemelha a Trump, de quem vai ser uma peça essencial a sitiar a União Europeia. Nenhum deles é um chefe de jagunços tropical, mas ambos estão unidos na cruzada reacionária que varre o Mundo. Para eles o ambiente é o entrave ao desenvolvimento e o futuro a preocupação de perigosos ecologistas.

As Bolsas de valores subiram com a vitória de Boris. O capitalismo julga que as árvores crescem até ao Céu. Enquanto houver matérias primas em países onde se morre à fome e à sede, elas pertencem-lhe por vontade divina. O sorriso de hoje pode ser um esgar de despedida. Londres já foi o primeiro centro financeiro mundial, antes de Tóquio e Nova Iorque a ultrapassarem. Acordou como se rios de mel doce viessem afluir em Londres e o Paraíso estivesse na contagem dos votos.

A UE corre graves riscos. Dentro das fronteiras cresce a extrema-direita com metástases em todos os países. Os nacionalismos regressam e não há música mais suave do que a exaltação do ego, a apoteose das idiossincrasias e a unidade das crenças.

De longe, rugem os EUA e China. Do outro lado da Mancha fica o orgulho ferido de um império perdido e ressabiado. À porta da UE moram a Turquia e a Rússia. Nunca tantos se uniram tanto e tão alucinadamente para destruir o sonho de uma Europa cosmopolita, democrática e pacífica.

Sem aprofundamento político, económico e social, sem harmonia fiscal e militar, a UE é o gigante à mercê dos grupos militares que a veem como peça do xadrez geopolítico das suas ambições.

O futuro está perigoso. E a Irlanda do Norte desenterra a fé e as armas.

Comentários

Manolo Heredia disse…
Os anglo saxónicos cerram fileiras na esperança de pararem a hegemonia da china.
Só o conseguirão se mantiverem a Índia nesse clube...
BoJo deu a entender isso várias vezes durante a campanha eleitoral.

Mensagens populares deste blogue

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime

Tunísia – Caminho da democracia ou cemitério da laicidade ?