sexta-feira, janeiro 16, 2015

A TAP e o apodrecimento do Governo

O Governo, na sua impetuosa obstinação de tudo privatizar, torna-se um corpo pútrido que se desfaz, um cadáver insepulto a que o coveiro contratado recusa a enterro.

Ontem, o ministro Pires de Lima e o secretário de Estado, Sérgio Monteiro, no ódio às leis, equivalente ao de Maomé ao toucinho, referiam-se a uma clandestina privatização da TAP, de que desconheciam o preço e as condições, onde o comprador apenas ficava responsável por não despedir, durante algum tempo, os trabalhadores dos sindicatos que se mancomunaram com o Governo.

Os outros trabalhadores, diziam com desfaçatez os ignaros governantes, não podiam ter os mesmos direitos dos que cederam ao Governo e, na sua estultícia, afirmaram que era uma questão jurídica, a diferença entre quem aceitou subscrever o que o Governo queria e quem recusou.

A mais despudorada marginalidade, a mais vergonhosa ofensa aos direitos e ao respeito mínimo pelo Estado de direito, levou hoje o alegado PM a dizer que o alegado ministro da economia lhe tinha pedido para informar a AR de que as suas palavras tinham sido mal interpretadas.

Talvez. Afinal, nenhum deles sabe o que diz e, menos ainda, o que faz.


3 Comments:

At sexta jan 16, 05:34:00 da tarde, Blogger e-pá! said...

Ontem ouvi, por duas vezes, o tal secretário de Estado fazer referência ao caderno de encargos que sabemos ser uma mera 'carta de intenções' (para incautos utilizarem).
Não exitem - perante o que foi publicamente afirmado (SIC-Notícias) - duas interpretações mas, podemos conceder que, como a barafunda é muita (por que a pressa é demasiada) os dislates proliferam sob a forma de inconfessáveis desejos...

Vamos a ver - e saber - se o texto desse caderno de encargos, que o mesmo governante afirmou que seria publicado em DR hoje ou amanhã, foi 'corrigido' à boca das rotativas da Imprensa Nacional.
Porque, o mais revelador da incompetência governativa seria a produção em Conselho de Ministro de uma resolução inconstitucional.
Tratar-se de mais uma inépcia o que não surpreenderia os portugueses.

 
At sexta jan 16, 08:28:00 da tarde, Blogger Alexandre de Castro said...

Só nos faltava, agora, ter um governo vingativo. Que era um governo que se sustentava alarvemente da mentira, já se sabia.

 
At sexta jan 16, 09:36:00 da tarde, Blogger Manuel Galvão said...

Populismo. O público alvo destas notícias, sobre um não-acontecimento, é aquele que gosta da Casa dos Segredos e que corre às festas lá do sítio para ver atuar a acordionista Rosinha!.

Por vezes é assim que se ganham (ganharam) eleições.

 

Enviar um comentário

<< Home