Carlos Brito, um grande cartunista francês, emigrante português

Por acasos da vida conheci Dino Monteiro, um quadro do Partido Socialista Francês e um dos fundadores do PS português. Fugiu à fome e à ditadura, ilustrou-se e tornou-se um quadro de uma grande empresa a cujo serviço o conheci e de quem me tornei amigo.

Foi ele que me pôs em contacto com Carlos Brito, um amigo seu, e que me autorizou a usar os seus desenhos no Diário de uns Ateus.

Ouvi-o há pouco, numa entrevista da SIC-N, emocionado com a morte dos 3 colegas e amigos íntimos de 4 cartunistas do Charlie Hebdo que o fascismo islâmico assassinou.

Deixo aos meus leitores um desenho de Brito, «politicamente ateu e filosoficamente agnóstico», dos vários que me enviou e conservo numa pasta com o seu nome.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

A ânsia do poder e o oportunismo mórbido

Nigéria – O Islão é pacífico…

Macron e a ‘primeira-dama': uma ‘majestática’ deriva …