A Grécia, o Syriza e a União Europeia

A memória dos povos é curta e poucos se lembram do político austríaco de extrema-direita, Joerg Haider, que em 1999 se tornou candidato a chanceler pelo Partido da Liberdade da Áustria, um partido xenófobo, homofóbico e antissemita.

A União Europeia teve em António Guterres, então presidente do Conselho Europeu, o denodado lutador que obrigou a Áustria a cancelar a nomeação do político extremista.
O jovem e perigoso Haider havia de morrer com excesso de álcool e de velocidade num acidente de viação, tendo-lhe sucedido o colaborador dileto que, afinal, era seu amante, motivo por que foi logo demitido.

Deixemos a sordidez dos moralistas e os acasos da História. Se a memória me não trai, foi a primeira vez que a União Europeia tomou uma posição musculada contra um país que ameaçou levar a extrema-direita ao poder, curiosamente a pátria de Hitler e de  Kurt Waldheim, onde o último chegou a presidente do País e a Secretário-geral da ONU, com um desconhecido passado nazi.

Depois, vários partidos de extrema-direita partilharam o poder na União Europeia sem que o sobressalto cívico contra Haider se repetisse ou a obstinação de Guterres tivesse seguidores, inclusive no início da recente destabilização da Ucrânia.

Agora que o Syriza, um partido grego de extrema-esquerda, que não é xenófobo, racista ou antissemita, nem sequer antieuropeu, ameaça chegar ao poder de forma democrática, aparece a chantagem e mobilizam-se invulgares meios contra a liberdade dos gregos, ao mesmo tempo que se negam os tratados e se condiciona o sentido do voto grego.

Um democrata não compreende que os países que aceitam as vitórias da extrema-direita se amedrontem e comportem de forma totalitária perante a eventual vitória do Syriza que não compromete a democracia formal nem a alternância do poder.

A UE e o seu dissimulado diretório, já fizeram de mim, um social-democrata, apoiante do Syrisa, não por solidariedade com o ideário do partido mas por compromisso com as eleições livres e democráticas onde quer que tenham lugar.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

Efeméride – 30 de outubro de 1975