O Sr. Duarte Pio e o Charlie Hebdo

O Sr. Duarte Pio, comprovado Bourbon e improvável Bragança, é conhecido por ser um imigrante suíço-alemão, a quem o salazarismo reconheceu a nacionalidade portuguesa, e que se tornou no exótico aspirante ao inexistente trono do reino de Portugal.

Além de várias tolices avulsas, é autor de um opúsculo em que pesquisou a devoção dos cavalos de D. Nuno Álvares Pereira que se ajoelharam em Fátima antes da batalha de Aljubarrota: “Quando passava de Tomar a caminho de Aljubarrota, a 13 de Agosto de 1385, D. Nuno foi atraído a Cova da Iria, onde, na companhia dos seus cavaleiros, viu os cavalos do exército ajoelhar, no mesmo local onde, 532 anos mais tarde, durante as conhecidas Aparições Marianas, Deus operou o Milagre do Sol».
 (“D. Nuno de Santa Maria - O Santo”, ACD Editores, 2005).

Referindo-se a Saramago declarou a um jornalista que «...é uma ganda merda», antes de responder à pergunta sobre os livros que tinha lido do Nobel, tendo declarado que nunca leu tal autor e deixando a ideia de que nem esse nem outro.

Ontem, afirmou em Braga que o semanário ‘Charlie Hebdo’ é “um pasquim nojento”. Ora aqui está um direito inalienável à liberdade de expressão e um pensamento legítimo. Lamentável seria se revelasse sobre a liberdade o mesmo pensamento do antepassado de que herdou o nome, a devoção e a cultura.

O Sr. Duarte Pio é um conhecedor mais profundo da devoção equídea do que do humor, da sátira ou do desenho, sentindo-se mais à-vontade numa estrebaria do que na redação de um jornal satírico.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

Efeméride – 30 de outubro de 1975