A liberdade e o Charlie Hebdo

À medida que minguam os que afirmavam “Eu sou Charlie”, crescem os que o não são e nunca se conciliam com a liberdade e, muito menos, com o que consideram excessos. Frases como «a minha liberdade termina onde começa a dos outros» ou «liberdade, sim, mas sem ofensa», são formas dissimuladas de a limitar.

A liberdade está ligada à democracia, instituição recente e geograficamente limitada, e nem aí é consensual, mas bastaria o mar de sangue dos que se bateram por ela para que a sua defesa fosse uma obrigação cívica.

O direito à ofensa é dos mais difíceis de sustentar mas, mesmo esse, é um direito cujos limites cabe aos tribunais apreciar e não pode haver outras sanções para além das que as sentenças judiciais determinarem. A justiça popular é o simulacro da justiça, a vindicta que satisfaz o ódio e a transforma em vingança.

Todos sabemos como Maomé odiava o toucinho, a ponto de os seus seguidores sentirem como ofensa a simples presença da fotografia de um porco. Temos obrigação de discutir se as idiossincrasias dos outros devem limitar a nossa liberdade. Por que razão devemos respeitar quem encara o abandono da religião – a de cada um –, como suprema afronta, punível com a pena de morte? A descrença é tão respeitável como a crença, e o humor e a sátira, por mais cáusticos que sejam, não passam da crítica legítima de quem discorda.

Os criacionistas, protestantes evangélicos, obrigam alguns estados americanos a ensinar como ciência o mito criacionista de Adão e Eva a partir do barro na olaria divina. Exige o bom senso que sejam zurzidos pelo riso, achincalhados pela sátira, humilhados pelas caricaturas até aceitarem que Darwin tinha razão e a evolução das espécies é ciência e o alegado método de criação um mito.

Não é indiferente o sítio onde cada um exerce a sua liberdade e um livro ou um jornal só os lê quem quer. Se alguém se sente ofendido por um jornal que nunca leu, não é crente, é censor. Os cartunistas do Charlie não enviaram desenhos satíricos a cada crente e, no entanto, os terroristas procuraram-nos no local de trabalho para os assassinarem.

Deixem-me rir, enquanto choro por dentro, das doutrinas que entendem que uma mulher adúltera deve ser lapidada, que a mulher violada deve manter uma gravidez do selvagem que a agrediu, da decapitação de quem renega a religião do decapitador, das normas que impedem a igualdade de género e o direito à felicidade.  Rio de dor, a sangrar por dentro e com fratura exposta.

Os que hoje apelam à liberdade «sem ofensa» são herdeiros dos que viam nas vacinas a ofensa ao projeto divino, dos que pensavam que o Sol parava, por milagre, e que girava à volta da Terra, merecendo pagar com a vida a ofensa ao que estava escrito.

Geralmente, apela-se à tradição para evitar a evolução. Devia estarrecer-nos o tormento dos que lutaram contra a escravatura, contra as tradições que dividiam a Humanidade em classes, contra as que impediam o acesso da mulher ao mercado do trabalho e contra diversas formas de discriminação que continuam a existir, agora de forma mais subtil.

O riso e a sátira são armas de quem as troca por ideias. Os terroristas são alienados que recusam as ideias e o riso, de armas em punho.

Ponte Europa / Sorumbático

Comentários

Manuel Galvão disse…
O escândalo é necessário, mas ai de quem o pratique (Mateus 18:7)
castrantonio disse…
O curioso é que os dois serviços secretos (eua e frança) e sabe se lá quem mais, seguiam e conheciam os autores do atentado... Mas não serviu para nada tudo isso!
Citação.

“ (…) O Islão, essa absurda teologia de um beduíno amoral, é um cadáver podre que envenena a nossa vida. A população da república turca, que reclama o direito a ser civilizada, tem de demonstrar a sua civilização através das suas ideias, sua mentalidade, através da sua vida familiar e seu modo de vida".

Mustafa Kemal Atatürk (estadista e fundador da República da Turquia)
Olá, eu sou o Sr. villaspin anderson, um emprestador empréstimo privado que dá empréstimos oportunidade de tempo de vida. Você precisa de um empréstimo urgente para limpar suas dívidas ou você precisa de um empréstimo de capital para melhorar o seu negócio? Você já foi rejeitado pelos bancos e outras instituições financeiras? Você precisa de um empréstimo de consolidação ou hipoteca? Não procure mais, porque estamos aqui para todos os seus problemas financeiros no passado. Nós emprestar fundos a pessoas que necessitam de assistência financeira, que têm um mau crédito ou necessidade de dinheiro para pagar as contas, para investir no negócio, à taxa de 2%. Eu quero usar este meio informar que prestamos assistência confiável e beneficiário e estarão dispostos a oferecer-lhe um empréstimo. Então, entre em contato conosco hoje por e-mail para: (villaspinanderson@outlook.com)

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

Efeméride – 30 de outubro de 1975