Mateus 3:7

Evangelho de Mateus (3:7) «Ao ver, porém, que muitos dos fariseus e dos saduceus vinham ao seu batismo, disse-lhes: Raça de víboras, quem vos ensinou a fugir da cólera vindoura»?

Não se podem ofender as religiões, mas Mateus, um evangelista com créditos cristãos firmados, não se coibiu de atribuir a Cristo esse vitupério à elite judaica, um hábito que ficou na oração católica das sextas-feiras, já abolida, e que Lutero e Hitler repetiram.

Não foi por acaso que o nazismo, uma ideologia sinistra de natureza secular, teve apoio do clero protestante e católico que lhe entregaram os registos de batismo para, por exclusão, diagnosticar judeus de forma mais expedita.

O «ninho de víboras», como o meigo Jesus designou o judaísmo,  não será ofensa mas era útil que o Papa Francisco, santo por profissão e estado civil, desmentisse a estrela da Companhia e o seu biógrafo Mateus.

Comentários

e-pá! disse…
Igualmente difícil será condenar a 'reprodução como coelhos' e manter medidas anacrónicas repressivas sobre anticonceptivos...
O preservativo é um pecado mas a abstinência é uma virtude.
e-pá! disse…
Virtude seria a 'pedo-abstinência' e concomitantemente a 'preservação' dos cidadãos de tantas 'lições' sobre a vida...

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

Efeméride – 30 de outubro de 1975