Faleceu Álvaro Cunhal

O maior dos líderes históricos da democracia portuguesa faleceu hoje. O 25 de Abril fez emergir uma plêiade de políticos onde, no campo partidário, se destacaram quatro grandes personalidades: Álvaro Cunhal, Mário Soares, Sá Carneiro e Freitas do Amaral.

Cunhal era já um vulto do comunismo internacional quando a ditadura, que tão corajosa e coerentemente combateu, foi derrubada pelos capitães de Abril.

Preso, torturado, exilado e caluniado, Álvaro Cunhal foi um intelectual destacado e um dos espíritos mais brilhantes do século que passou. Destacado escritor neo-realista, exímio desenhista e pintor, crítico literário e de arte, foi um político de uma dimensão ímpar e de uma obstinada coerência.

Faleceu aos 91 anos o mais carismático líder do PCP e um dos mais respeitados comunistas de sempre.

Dos quatro vultos de há 30 anos, Mário Soares foi o maior do Portugal que somos. Álvaro Cunhal foi um dos maiores do Mundo que deixou de ser.

Carlos Esperança

Comentários

Anónimo disse…
Ah pois, o camarada Cunhal. Homem iluminado e esforçado. Condutor das turbas em luta. Que tenha boa viagem. Afinal está a tudo a morrer... Assim isto não presta. E depois dizemos mal de quem.
desanimado disse…
Os comentários revelam a leveza com que se lê a História. E sei perfeitamente, por isso mesmo, que ao dizer isto, serei considerado um admirador de Cunhal. Fiquem então satisfeitos com as perversas aparências.
Anónimo disse…
O Mário Soares?!...
Ah, Ah, Ah, Ah, Ah!...
Não me faça rir!
Um dia vai ele e aí, a que é que a turba socialista se agarra? Ao Engº dos refugiados?!
Ah, Ah, Ah, Ah!...

Ramos Ferreira

Mensagens populares deste blogue

Nigéria – O Islão é pacífico…

A desmemória e a dissimulação

Miranda do Corvo, 11 de setembro