Nomeações governamentais

«O primeiro-ministro português considera que as nomeações feitas até ao momento pelo seu Executivo são naturais, de confiança política e dentro do previsto na lei. Segundo o Jornal de Negócios, o Governo de Sócrates já fez 1094 nomeações, contra as 1034 feitas pelo governo anterior»- lê-se na TSF.

Aqui está uma comparação ingénua ou tendenciosa. Como assinalou Vital Moreira no «Causa Nossa»: «O governo de Santana Lopes era dos mesmos partidos do governo precedente (Durão Barroso), sendo vários membros do Governo os mesmos. Por isso nem estes precisaram de nomear novos gabinetes, nem o Governo teve de substituir a maior parte dos cargos de confiança política, como governadores civis, directores-gerais, dirigentes de institutos públicos, directores de serviços regionais do Estado, etc. As duas situações não são portanto comparáveis. Comparação relevante seria com o Governo de Durão Barroso».

O fogo a que o Governo está a ser submetido vem de vários quadrantes mas revela o desespero de quem vê ameaçados os privilégios sem ter uma alternativa a propor para manter sustentáveis o sistema de reformas e os encargos sociais do Estado.

Suspeito é o silêncio dos militantes do PS em questões que o honram e a falta de solidariedade para com o seu Governo.

Comentários

André Pereira disse…
A liberdade de informação e um debate público "musculado" são fundamentais na democracia. Mas realmente é uma vergonha a forma hedionda como alguns media tratam as questões. Ontem tive a infelicidade de assistir a parte do Jornal da TVI sobre esta pseudo-notícia. O fomento permanente de uma postura anti-políticos, denegrindo permanentemente quem se "sujeita" ao serviço da causa pública enoja a República.
É óbvio que a notícia relevante é a que este governo quer acabar com milhares de cargos de nomeação política! E não que já nomeou menos que Durão Barroso em período equivalente!
Anónimo disse…
Este género de notícias, em crescendo, apenas têm um único objectivo - desgaste de imagem.
É pena que a maioria dos portugueses sejam ludibriados, mas é verdade!
Porque é que estes fomentadores de instabilidade não são punidos?
Não devia existir um organismo sério e independente que ponha os media (todos os agentes)na ordem? Numa altura em que se fala da policia para os fiscais das finanças (e muito bem!) também devia existir a policia dos media.
Anónimo disse…
mas o grande problema é talvez o facto do P.S. não se saber onde anda.......que estranho País este ou melhor socialismo este.....
Anónimo disse…
Ou seja. Quando os órgãos de comunicação se limitam a referir a verdade sobre as nomeações, passam a atacar o governo?!!!Estranha forma de democracia. Agora as nomeações são necessárias. E antes, também não eram? Cuspir pró ar....
Anónimo disse…
Verifica-se que os socialistas andam bastante desorganizados. Mas também os bons andam por outros caminhos (privada) e já não se chateiam com a política.
Exposição política por uns míseros trocos???!!! Só os menos capacitados (excepto alguns, poucos!) é que para lá vão....

Em vez de acabar com os acumulanços e altos vencimentos à cabeça, creio que o melhor caminho seria o de enveredar por vencimentos por objectivos. Depois de traçados, delimitados e escalonados, quando se atinge o pretendido, aí sim, deve ser bem pago. Caso contrário, leva o que trouxe.....

Claro que o portuguesinho não gosta de ver o vizinho a ganhar mais que ele, mesmo que no seu lugar não alcance 25% do desempenho, e por isso surgirão sempre as manchetes calúniosas.....

Vejam o caso da TAP, relembrem-se do seu passado.
Vejam como Fernando Pinto, Presidente da TAP, tem vindo a recuperá-la. Dizem que ganha bem....e não é bem merecido?
Ou será que era preferível pagar ao zé da esquina para lá estar com um ordenado de 2500 € e continuar com os sucessivos prejuízos?

Mudem o processo de vencimentos (por objectivos) e apelem para que voltem os bons....
Anónimo disse…
A questão prende-se em fazer notícia com todos os argumentos que nela deviam constar, e não omitir os que lhe interessam para dar o relevo pretendido.
É a mesma coisa que olhar apenas para o débito omitindo o crédito...(contabilisticamente falando)
Anónimo disse…
ou isto acaba...ou torna-se na A.Latina.....
mas ai todos sofrem as consequencias......
Anónimo disse…
pois é....sr anonimo das 10.34 o seu exemplo da tap não é mau.....mas isso é a excepção, pois a regra é um Deus nos acuda....
isso gostava eu de ver o pessoal a responder pelo seu desempenho.
mas para os dirigentes nem avaliação há....e o que se tem visto????
saltitar de uma empresa para outra...por xxxx com indemnizações...e dai a uns tempos regressar outra vez.....o people esta farto farto.......
Anónimo disse…
Caro anónimo das 11:35, como sabe, e como é hábito, sempre foi mais fácil destruir do que construir. Creio que é uma das lógicas que deve acabar para o bem de todos nós. A maioria dos portugueses sabe criticar o que existe mas não sabe apresentar a solução.
É uma forma de estar na vida completamente errada e que só nos tem arremessado para o ranking dos últimos do que é bom e dos primeiros do que é mau!

Sendo esse tal exemplo (Tap) o bom exemplo (único), devemos então fazer com que surjam mais.

Por isso defendo o método do pagamento por objectivos. Sendo o pricipal objectivo a rentabilidade e produtividade das empresas, ao definir objectivos estamos também a acabar com os tachos, lutando sempre em primeiro lugar pelos bons resultados das empresas.

Nesta lógica, quem não sabe fazer ou quem não atinge os objectivos, para além de ser remunerado com um vencimento regular (baixo) pode ser mudado logo no primeiro patamar de alcance de objectivos. Assim se permite acabar também com as indemnizações chorudas.
Mas se os objectivos são atingidos, deve-se pagar bem (premiar) a quem sabe, até porque mais do que pagar bem pelos resultados atingidos é receber bem pelo desempenho que a empresa conseguiu alcançar. Isto resulta sempre num resultado positivo para a empresa e para o contribuinte.
Adicionalmente, incrementamos o nível dos nossos gestores, pois os que sabem começam a ocupar o lugar dos tachistas incompetentes....

Perene
anónimo das 10:34
O mesmo 11,35h disse…
totalmente de acordo com o principio.........
mas que estou farto de demagogia isso é que estou...
e os maus exemplos de excessos de mordomias estão bem a vista...tem sido um fartar vilanagem,e são sempre premiados pois pertencem a uma casta que parece ter sido tocada pelo Divino.
......e não é pelo facto de nos terem cavalgado que nos puseram a pensar como eles......etc etc etc
Anónimo disse…
O Principio é fácil de aplicar. Vemos o critério de prémios de produtividade (leia-se objectivos) implementado nas empresas (mais)rentaveis (Bancos, por ex.).
A solução é mais do que evidente, é só aplica-la.
Claro que para isso, terão de deixar de convidar o amigo do amigo que é um gajo porreiro (copos e trabalho parece ser a mesma coisa....)

Estamos fartos de gajos porreiros!

Uma filosofia diferente com provas mais que dadas....aplique-se!


Perene
o mesmo disse…
como é possivel se isto parece uma U.N.até nisso tivemos azar......

Mensagens populares deste blogue

Nigéria – O Islão é pacífico…

A desmemória e a dissimulação

Miranda do Corvo, 11 de setembro