The boy from Shanghai *…

Paulo Portas falava no final de um almoço no “Scioko”, um restaurante aberto há duas semanas por quatro jovens portugueses num novo parque tecnológico de Xangai e que pretende “reinventar o fast-food” através do cachorro, um petisco ainda exótico na China.
A visita ao restaurante, que não fazia parte do programa inicial, foi decidida depois do ministro português ter chegado a Xangai, no sábado à noite.
“Pedi para vir aqui porque acho que os portugueses precisam de conhecer estas histórias cheias de esforço, de mérito e bem sucedidas de jovens que conseguem triunfar em circunstâncias difíceis”, disse Paulo Portas. link (sublinhado nosso)

A diáspora portuguesa sempre foi empreendedora mesmo antes de este chavão existir e com ele os governantes massacrarem diariamente a paciência aos cidadãos. O problema é recorrente: o sucesso que os portugueses buscam lá fora, investindo e trabalhando no duro, não consegue ‘terreno’ para florescer cá dentro.

Este é um problema ‘estrutural’ que as alardeadas ‘reformas’ passam permanentemente ao lado. Mas o actual Governo foge à discussão de modelos económicos e/ou políticos porque, na realidade, é impossível fazê-lo, tal a necessidade de ocultação, disfarce e mistificação da sua agenda ideológica. Contenta-se com o papel de executor de prosélitos ‘resgates’ á boleia de engenharias financeiras e, claro está, dos ‘mercados’.

A ‘diplomacia económica’, re-inventada pelo actual Governo, vive momentos eufóricos. É capaz de ver sucessos em iniciativas que, muito embora inovadoras, voluntariosas e louváveis ainda não foram submetidas ao crivo do tempo. Há muita pressa em aparecer na fotografia. Como podemos ver no texto os quatros jovens portugueses em Xangai abriram o seu restaurante há 2 semanas, não sabemos em que circunstâncias, com que apoios e estão, com certeza, ainda expectantes em relação ao futuro do seu empreendimento.

Todavia, ministro Portas considera neste investimento já uma ‘história bem sucedida’. Esta a novíssima 'diplomacia do marketing'. E, somos levados a crer que será com esta (mesma) ligeireza que o actual Executivo olha para os desafios do presente (dentro e fora no diz respeito à captação de investimento) e se pretende construir um futuro, como é usual repisar, 'sustentável'. 

Apostila: O ministro esqueceu-se de referir este se negócio de restauração em Xangai paga IVA a 23%...

[*] – Título adaptado do histórico filme ‘A Dama de Xangai’ dirigido por Orson Welles…

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime

Tunísia – Caminho da democracia ou cemitério da laicidade ?