Argentina – o roubo de bebés e outras sevícias


A crueldade humana não tem limites e as ditaduras, convictas da sua impunidade, não hesitam nos crimes mais hediondos. Dois ditadores, Jorge Rafael Videla e Reynaldo Bignon, estão entre os 11 réus responsáveis pelo mais sórdido dos muitos crimes que o regime cometeu – a apropriação sistemática de bebés cujas mães eram sequestradas e, não raro, após o parto, lançadas ao mar a partir de aviões militares.

Casais inférteis, tal como na Espanha de Franco, tiveram os filhos que queriam graças à sucessão de crimes e cumplicidades que nos deixam estarrecidos.

Sílvia Mónica Quintela foi sequestrada, grávida de 4 meses, com 28 anos de idade. Após o parto foi-lhe retirado o bebé e feita desaparecer enquanto  o oficial Victor Gallo e a esposa, Susana Ines Colombo, assumiam a paternidade da criança que recetaram.

O regime assassinou adversários e  compensou os cúmplices com os filhos dos pais que matava. Foram largas as dezenas de crianças a quem assassinaram os pais e converteram em filhos de cúmplices.

Não faltaram sacerdotes para abençoar as armas da ditadura e dar força aos homens que fizeram os voos da morte. Perante a angústia dos que quiseram saber quem foram os pais biológicos, a Igreja católica não ajudou. Pelo contrário, era contra a investigação.

A Argentina espera a condenação dos autores e cúmplices do roubo de bebés da ditadura. Não é só a Argentina, é o mundo civilizado que espera a justiça que a Espanha impediu com o afastamento do juiz Baltasar Garzón.

Comentários

Jorge Videla foi condenado a uma pena de prisão pelo roubo de bebés durante a ditadura militar. O ex-ditador argentino já estava em prisão perpétua.

Ler mais: http://expresso.sapo.pt/ditador-argentino-condenado-por-roubo-de-bebes=f738057#ixzz1zt92re5Z

Mensagens populares deste blogue

Insurreição judicial

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime