Dr. Miguel Relvas, um caso exemplar



Não consta do currículo que o ministro apresentasse a esse areópago do saber e da ética – a Universidade Lusófona –, a falsificação de moradas que lhe tornou mais suculento o vencimento de deputado e que certamente lhe poderia dar equivalência a maratonista. O dom da ubiquidade, com quatro moradas diferentes, três em Tomar e uma em Lisboa, ainda o há de conduzir à santidade dado que a Santo António bastaram duas, Lisboa e Pádua, para o elevarem aos altares.

Também são omissas as viagens fantasmas ao serviço da República e que não deixariam de lhe conferir o epíteto de astronauta, embora ultrapassado pelo seu colega de bancada, o célebre deputado António Coimbra, que ganhou o epíteto de Batman. Especialista em requisitar viagens em bloco à AR, viagens que não realizava e creditava na conta-corrente da agência «que era debaixo da sede da JSD», merecia bem a equivalência em engenharia financeira.

A pressão «inaceitável, mas não ilegal», sobre uma jornalista do Público, recomenda-o para  a privatização da televisão pública, um serviço por uma boa causa. Já o negócio das secretas se afigura perigoso para quem não se sabe se tem a confiança do PM pelo que conhece a seu respeito ou se é o Dr. Relvas que mantém a confiança no igualmente Dr., Passos Coelho, a quem obrigou a reiterar a confiança sem lhe exigir um certificado sobre o currículo que lhe daria um doutoramento.

A «procura do conhecimento permanente» do Dr. Miguel Relvas extasiou de tal modo o deputado e líder da JSD, Duarte Marques, que pretende a punição de Mariano Gago por ser autor moral da burla da Lusófona graças à legislação que criou. Já os deputados pela quota dos adultos pretendem a prisão de Vítor Constâncio por não ter previsto as burlas do inocente bando da SLN/BPN cuja absolvição se aguarda.

Num governo onde Paulo Portas se faz de morto e já todos esqueceram as atribulações fiscais do antigo ministro da Defesa, a falência da Amostra e as 61.893 fotocópias de documentos de Estado que levou para casa, sem qualquer investigação policial, o caso do Dr. Relvas é um caso menor.

O Dr. Relvas pode sair do Governo mas o governo e a maioria não sairão do Dr. Relvas. Nem o PR, tão enxofrado com o estatuto dos Açores, com os sacrifícios dos portugueses (em outro Governo) e com as decisões da AR, se referirá ao caso Relvas. Quem domina as secretas tem acesso às escutas verdadeiras.

Ponte Europa / Sorumbático

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Vasco Graça Moura

A lista VIP da Autoridade Tributária