"Quando Portugal Ardeu"...


O ATENEU DE COIMBRA organiza, integrado nas Comemorações do 44º Aniversário do 25 de Abril, uma sessão-debate sobre o livro “QUANDO PORTUGAL ARDEU”, publicado em 2017, da autoria do jornalista MIGUEL CARVALHO, que terá lugar na no dia 06.04.2018, às 21 horas, na CASA MUNICIPAL DA CULTURA, em COIMBRA.

A publicação versa histórias e segredos da violência política dos ‘anos quentes’ do pós-25 de Abril.
O autor tem uma vasta obra de investigação jornalística que está traduzida pela publicação de vários livros de que são exemplos: “Álvaro Cunhal – Íntimo e Pessoal” (2006); “Lúcio Feteira – a História Desconhecida” (2012); “A Última Criada de Salazar” (2013), entre outros.

O livro “QUANDO PORTUGAL ARDEU” não é um simples repositório historiográfico, académico e formal dos ‘anos quentes’ do pós-25 de Abril mas, antes, uma visão, melhor uma investigação jornalística idónea, fidedigna e rigorosa, com marcado recorte literário, acerca da violência política ocorrida no chamado PREC e cujo relato (narrativa) tem sido muitas vezes desvirtuado e ocultado, para não dizer deturpado.
Existe uma ‘história da contrarrevolução’ em que muitos episódios relevantes foram atirados para o ‘mundo das sombras’. A sessão-debate tem como objetivo discutir a nossa história recente, liberta dos fantasmas, dos segredos, dos ódios e dos ‘esquecimentos’  que, ainda, continuam a condicioná-la.
 
A sessão terá uma introdução a cargo do Dr. LEVY BAPTISTA um ilustre jurista com uma destacada participação na resistência antifascista nomeadamente na defesa dos presos políticos vítimas do regime salazarista. Em coautoria com Abranches Ferrão, Salgado Zenha e Palma Carlos publica, em 1974, a obra “Angolanos no Tarrafal – Alguns casos de habeas corpus”.
Levy Baptista teve uma larga e profícua participação na vida pública no pós-25 de Abril, nomeadamente, tendo sido deputado à Assembleia Constituinte, foi cofundador da União dos Resistentes Antifascistas Portugueses (URAP) e integrou a direção da revista “Seara Nova”, entre outros organismos profissionais e associações cívicas e culturais. É, ainda, um exímio e virtuoso artista da viola (guitarra) coimbrã.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Os incêndios e a chantagem ao Governo

O último pio das aves que já não levantam voo