As palavras que escondem e enganam

Há palavras que deviam queimar os lábios de quem as profere, palavras que, em vez de esclarecer, escondem, e não exprimem o que parece, ocultam o contrário do que dizem.

«Liberdade de escolha» não é um pensamento, é uma armadilha; não é um programa, é uma habilidade; não é liberdade e, muito menos, escolha. É mero slogan para capturar o ensino público, privatizar a saúde e engolir a segurança social, na insaciável voragem de seguradoras, bancos e outras empresas privadas. É uma forma capciosa de espoliação do que é de todos, através do Estado, para todos dependermos apenas de alguns.

A sofreguidão com que o setor privado engole a saúde, com ganho do setor dito social, num ato de caridade que confisca pessoas, bens e a liberdade, devia ser alvo da reflexão dos portugueses.

O bando ultraliberal que escondeu a agenda perversa que levou para o Governo, à boleia do PR, que o protege, devia ter-nos posto de sobreaviso. Há uma metódica transferência dos hospitais para grupos privados enquanto, à sorrelfa, o setor social, insaciável, e com pias intenções vai refazendo o império da caridade; quanto à instrução, já estão preditos os cheques de ensino com que se desmantela o ensino público, laico e igualitário, para aniquilar a coeducação e instaurar o carácter confessional; se ainda houver tempo, ficam os alicerces da transferência da segurança social para as companhias de seguros.

A República, perdido o feriado, que lembrava a identidade do regime, uma vez por ano, foi deixada à mercê de grupos privados enquanto o Governo mais inapto de sempre, não podendo fazer pior, fez o melhor que pôde a entregar o nosso destino coletivo nas mãos dos patrões a quem obedece servilmente.

A democracia, esvaziada, ficará à mercê de aventureiros, quando formos expulsos da União Europeia ou esta, no seu estertor, fique a aguardar a certidão de óbito.

A Constituição da República, inviabilizada pelo bando que a odeia, será substituída por um arremedo que consagrará a «liberdade de escolha» a quem a possa pagar.

O espólio de uma democracia, que nasceu para a felicidade de um povo, será dividido entre os abutres do capital financeiro e a gula das instituições pias. E nós deixamos!

Ponte Europa / Sorumbático

Comentários

e-pá! disse…
Por alguma razão uma das 'bíblias' dos 'meninos de Chicago' é "Liberdade para Escolher" de Milton Friedman...
Rui Cascao disse…
A liberdade de escolha é uma coisa interessante. E acho que as pessoas devem ter a liberdade de a exercer... desde que, neste caso concreto, o paguem do próprio bolso.

O que me parece ser de um liberalismo aberrante e deturpado é ter o Estado a pagar o exercício dessa liberdade em detrimento de um sistema público de ensino com provas dadas e de extraordinariamente elevada eficácia em proporção aos meios financeiros e humanos envolvidos. É outrossim um "presente envenenado" profundamente regressivo do ponto de vista social, especialmente tendo em conta o facto de um Estado normalmente não ter capacidade financeira para suportar os custos integrais de um ensino privado universal de qualidade (devido à natureza das coisas e da incapacidade de regulação eficiente do mercado por parte do Estado). Ou seja, em qualquer sistema de "cheque-ensino", a educação de qualidade implicará necessariamente co-investimento por parte dos encarregados de educação (e num país tão desigual como Portugal, é uma receita para um "apartheid" educacional).



Mensagens populares deste blogue

Vasco Graça Moura

Notas sobre a crise venezuelana…

A lista VIP da Autoridade Tributária