sexta-feira, dezembro 16, 2016

José Saramago e a Igreja católica (ICAR)


L'Osservatore Romano, órgão oficial da Cúria Romana, o Pravda* da ICAR, mostrou o seu ressentimento com a atribuição do Prémio Nobel da Literatura de 1998: “Saramago é, ideologicamente, um comunista inveterado”.

Em Portugal, o padre José Tolentino Mendonça, diretor do Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura, acusou-o de fazer uma leitura "ingénua, ideológica e manipuladora" da Bíblia.

No mesmo registo, a fazer currículo para cardeal, o bispo do Porto, Manuel Clemente, disse que José Saramago "revela uma ingenuidade confrangedora quando faz incursões bíblicas" e, “como exigência intelectual, deveria informar-se antes de escrever”, certo de que a informação correta só podia ser a dele.

O diretor da Faculdade de Teologia da Universidade Católica de Lisboa, Peter Stilwell, considerava que “seria espantoso” que José Saramago encontrasse algo divino na Bíblia e salientou que o escritor escolheu o fratricida Caim e não Abel, a vítima, pensando que a Bíblia é um manual científico e as parábolas axiomas.

Após a morte do genial ficcionista, ódio velho não cansa, L'Osservatore Romano veio de novo expelir bílis. Acoimou-o de "populista extremista" e "ideólogo antirreligioso".

O eurodeputado do PSD, Mário David, nascido em Angola, disse ter vergonha de ser compatriota do escritor e que Saramago devia renunciar à nacionalidade portuguesa. “Se a outorga do Prémio Nobel o deslumbrou, não lhe confere a autoridade para vilipendiar povos e confissões religiosas, valores que certamente desconhece, mas que definem as pessoas de bom carácter” – disse –, quiçá a refletir valores tribais da sua Lunda natal. O paquete de Durão Barroso fez-se notar recentemente como patrocinador da candidatura de Kristalina Georgieva a secretária-geral da ONU, contra Guterres.

Falta referir o inefável Sousa Lara, piedoso subsecretário de Estado da Cultura, que, em sintonia com o governo de Cavaco, vetou ‘O Evangelho segundo Jesus Cristo’ de uma lista de romances portugueses candidatos a um prémio literário europeu, em 1991, sugerindo que ele deveria receber uma “punição” (não apenas divina) pelo que foi escrito em Caim, declarando o seguinte:

“Este senhor atingiu, não se percebe muito bem porquê, um patamar de impunidade que a humanidade concede, tipo Berlusconi. Há umas pessoas que podem dizer tudo, que podem fazer as coisas mais absurdas e as pessoas habituam-se a isso e não levam a mal. Só tenho pena que não enxovalhe, da mesma forma que enxovalha o património católico, por exemplo os muçulmanos, porque esses não perdoam e vergam-lhes pela pele. Aí é mais difícil insistir muito numa gracinha reiterada contra a religião muçulmana. Calculo que depois não lhe corra bem o futuro”.

(A longa transcrição do bem-aventurado, que mandou erigir no seu monte alentejano a ‘Cruz do Amor’, vale a pena, para estudo da diversidade dos primatas).

Fonte: Wikipédia. * Pravda (russo) = Verdade (Port.)

1 Comments:

At sexta dez 16, 07:58:00 da tarde, Blogger Jaime Santos said...

Nós somos todos primatas, Carlos, pelo que o epíteto a Sousa Lara não colhe... Mas que o seu fel, com cheiro de sangue, fede, lá isso fede. Estes homens (com 'h' pequeno, até porque são todos homens na tradição patriarcal dos monoteísmos) têm dificuldade em perceber o significado de liberdade de criação artística. Nunca percebi a suscetibilidade dos crentes relativamente a ofensas dirigidas contra Deus, porque este, se realmente existir e possuir as propriedades que lhe são atribuídas pelos teólogos e não a tacanhez de alguns crentes, se estará absolutamente nas tintas para tais insultos. Já não me parece que estará nada pelos ajustes relativamente aos crimes cometidos em seu Nome...

 

Enviar um comentário

<< Home