Telavive anuncia o Ano Novo com um ”madeiro” a arder na Palestina…

A reacção do governo de direita (extrema-direita?) israelita à resolução do CS da ONU sobre os colonatos em territórios palestinos traduz claramente o regime e Telavive e denuncia as suas secretas intenções link
O que hoje aparece à flor da pele com a declaração (intenção) de Netanyahu em não acatar a resolução é o assumir, na prática, daquilo que vem fazendo desde a guerra de 67 sob pretexto de garantir a segurança do seu território.

A ofensiva diplomática que o Governo francês prepara para o início do ano novo (15 de Janeiro) pode vir a complicar ainda mais a posição israelita que cada vez mais adquire contornos de indefensável.

A expansão territorial de Israel a partir de um território que lhe foi concedido em 1947 através de uma resolução (181) da AG da ONU tem sido cuidadosamente planeada e executada. 
A teoria da segurança e do velho 'espaço vital' foi, como todos sabemos, o argumento de Hitler para anexar o corredor de Dantzig e outros territórios a Leste da Alemanha.

Com que autoridade o Governo de Israel assume a petulância de recursar-se a aplicar uma resolução oriunda do mesmo órgão que criou o Estado Israel?

Existirão acordos secretos com Donald Trump e o indigitado embaixador para Israel David Friedman cuja primeira manifestação é o desejo de se instalar em Jerusalém link?

Ou, pretende Trump, de parceria com Netanyahu, acrescentar mais problemas a uma região já em polvorosa?

Será altura para atear em terras do Médio Oriente o tradicional “madeiro” que, nesta quadra, costuma arder lentamente nos adros e nas praças públicas do interior rural português?

Comentários

É urgente que os países democráticos sejam vigorosos a combater o antissemitismo, mas não é menos urgente que combatam o sionismo. A força não tem supremacia sobre o direito. Ou não devia ter.
Combater o anti-Semitismo.Será que então se deve proteger o Semitismo?Afinal os Semitas são descendentes de Sem e então serão eles uma raça àparte?Nêsse caso se se consideram uma raça àparte,êles são racistas e o Racismo deve ser combatido.Os judeus ortodoxos julgam-se o Povo Eleito de Javé/Jeová que é o Padre Eterno dos bíblico-judaico-cristãos e que a Palestina é a Terra da Promissão,segundo disse Moisés após ter falado com Deus no Monte Sinai e dêle ter recebido as Tábuas da Lei que são os Dez Mandamentos dos bíblico-judaico-cristãos.E há centenas de milhões de pessoas que acreditam nesta VIGARICE.

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

Efeméride – 30 de outubro de 1975