Generoso, obrigado por lei


«Nos termos da legislação aprovada pela Assembleia da República, o Presidente da República decidiu prescindir, a partir de 1 de Janeiro de 2011, do seu vencimento, no montante ilíquido de 6.523,93 euros», lê-se na nota da Presidência, dando assim seguimento ao fim da acumulação de vencimentos de Estado com pensões.

Tendo que escolher apenas um, Cavaco optou pelas pensões: o Presidente acumula pensões do Banco de Portugal e da Universidade Nova de Lisboa, de cerca de 10 mil euros por mês.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

A ânsia do poder e o oportunismo mórbido