Afinal…

Na intervenção final do recém (?) eleito presidente do PSD foi anunciado o lançamento público das tão anunciadas ‘novas propostas’.

Assim, saltaram para a liça as ‘velhas’ reformas da Segurança Social (sem se referir aos cortes dos 600 M€ e aos plafonamentos) e a uma relapsa reivindicação de 'reforma eleitoral' (provavelmente para assegurar que não volte a acontecer o mesmo que em 4 de Outubro passado).

Portanto, de Espinho nada de novo.

Mas há uma questão pendente. De tudo o que foi dito pelo presidente do partido é moroso, difícil e talvez inglório tentar encontrar, uma só vez, o discreto perfume daquele slogan pré-congresso.

Dão alvissaras a quem divisar um resquício de: “social-democracia, sempre!”

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Nigéria – O Islão é pacífico…

A desmemória e a dissimulação

Miranda do Corvo, 11 de setembro