Noticiário atrasado

Hoje, em Espinho, no Norte, e longe da Coreia, o que justifica a pequena percentagem (pouco mais de 95% dos votos) foi reeleito presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, no conclave em que o centralismo democrático operou na perfeição. Foi a maior votação alcançada em qualquer eleição com candidato único, social-democracia, sempre.

A assembleia magna recuou na homenagem nacional (do PSD) a Cavaco Silva, tendo os encómios ficado a cargo do presbítero Pedro Santana Lopes, depois de lhe perdoar os agravos com que o ofendeu, chamando-lhe “má moeda”.

O grande e amado líder confessou que já não era primeiro-ministro mas, na emoção, foi perdoado.

Comentários

e-pá! disse…
Confessou (admitiu) que (já) não era 1º. ministro mas não resistiu a 'reconduzir' a 'sua' ministra das Finanças...com residência (sede social/operacional) na city londrina.
Uma baralhada, para não lhe chamar a verdadeira 'geringonça'...
Malhas que os conluios tecem, e-pá.

Mensagens populares deste blogue

Nigéria – O Islão é pacífico…

A ânsia do poder e o oportunismo mórbido

A desmemória e a dissimulação