Papéis do Panamá

Da sargeta de um offshore saltaram nomes de traficantes de droga, milionários, burlões, políticos e celebridades. O exótico nome “papéis do Panamá” é o celofane que embrulha a fuga consentida de capitais, a delapidação de países pobres e a usura dos biltres que se apropriaram do que outros foram espoliados.

Não espanta o que se sabe e alimentará a comunicação social nos próximos tempos, o pasmo reside na quebra de segurança que se julgava inviolável, protegida por Estados, às vezes para pagar tarefas sujas, outras para benefício dos seus próceres.

O escândalo surgiu e não depende apenas dos jornalistas que pesquisam o mar de lama, 11,5 milhões de ficheiros, da indústria global de sociedades de advogados, empresas fiduciárias e grandes bancos, que vendem o sigilo financeiro por módicas comissões. O impacto não porá em causa o sistema económico e político responsável e que dele se alimenta à margem das próprias leis e da decência. Para isso já estão a trabalhar grandes escritórios de advogados e de gestão de imagem, de modo a que, servidos alguns bodes expiatórios e reforçada a segurança, possa prosseguir a cupidez e o crime.

Suspeito que da divulgação dos nomes há quem beneficie e quem seja imolado no altar da opinião pública, enquanto muitos outros passarão despercebidos ou ocultados pelos detentores dos órgãos de comunicação social.

Apesar do benefício indiscutível da denúncia e da convicção de que os jornalistas serão honestos, temo o aproveitamento geopolítico para derrubar líderes incómodos enquanto se protegem os que são úteis.

Para já, parece haver honestidade nas primeiras denúncias e a Internet pode substituir os interesses particulares de países e grupos. As consequências serão demolidoras, mas não é ainda a altura de acabar com os offshores. O crime precisa deles.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Nigéria – O Islão é pacífico…

A desmemória e a dissimulação

Miranda do Corvo, 11 de setembro