Associação Ateísta Portuguesa - Carta ao ministro da Educação

Assunto: Atropelo à laicidade em escola de Castelo de Paiva.

Exmo. Senhor
Dr.Tiago Brandão Rodrigues
Ministro da Educação

Senhor Ministro,

A Associação Ateísta Portuguesa (AAP) tomou conhecimento da passagem, por Castelo de Paiva, da «Imagem Peregrina de Nossa Senhora de Fátima» [sic] e da iniciativa da diretora do Agrupamento de Escolas de Castelo de Paiva (AECP), Maria Beatriz Moreira Rodrigues e Silva, que, a “convite do Reverendo Padre F. Sérgio”, solicitou aos encarregados de educação autorização para que os alunos se pudessem deslocar, ao largo do conde, entre as 10 e as 11 horas do dia 13 de abril, acompanhados de professores e funcionários, para participarem na receção à referida imagem, se possível, trazendo uma “camisola/t-shirt / casaco branco.” (Ver anexo)

 A AAP, considerando o atropelo grosseiro à laicidade e um desafio à separação Estado / Igrejas, constitucionalmente consagrado, na defesa da laicidade da escola pública, pede a V. Ex.ª se digne mandar esclarecer o seguinte:

a)      Se há alguma legitimidade ou utilidade na suspensão das aulas para participação de alunos do segundo e terceiro ciclos na cerimónia religiosa;
b)      Se aos alunos que eventualmente se recusaram a participar na referida cerimónia (difícil perante a militância pia da diretora) foram asseguradas aulas;
c)      Se as aulas sacrificadas pela devoção do órgão diretivo tiveram compensação;
d)      Se os alunos, professores e funcionários foram abrangidos por qualquer seguro e lhes foi facilitado transporte do Agrupamento até à Igreja Matriz e regresso, ou foram obrigados a deslocar-se a pé.
e)      Finalmente, se a laicidade da República Portuguesa, no caso da Escola Pública, é acautelada pelo Ministério da Educação e que providências serão tomadas para que outras escolas públicas não reincidam em semelhante prevaricação.

Aguardando a resposta que V. Ex.ª tiver por conveniente,

Apresentamos-lhe os nossos melhores cumprimentos,

Direção da AAP

Comentários

Jaime Santos disse…
E, no caso de lhes ter sido facilitado transporte e seguro, seria interessante saber a custo de quem... Esperemos que não às custas do erário público...
e-pá! disse…
Para além do grave atropelo à laicidade numa escola pública que o ofício revela é particularmente prosélito o 'arremedo encenativo' da Diretora da Escola ao solicitar o uso de ..."camisola/ t-shirt / casaco branco".
A piedosa responsável do estabelecimento escolar deve ter-se inspirado nas 'noites brancas' que se realizam anualmente nos Açores durante o Verão (no centro histórico de Ponta Delgada), por acaso, bem profanas...

Concluindo: não salvaguardou a liberdade religiosa (com insinua no ofício) e o branco já não é o que era...

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

Efeméride – 30 de outubro de 1975