Efeméride – 20 de dezembro de 1973

Há 45 anos, Luis Carrero Blanco, cúmplice do maior genocida de sempre, da Península Ibérica, era o presidente do Governo espanhol quando saiu da missa, bem rezado, comungado, incensado e abendiçoado.

Graças a 100 quilos de Goma-2, colocados no túnel dedicadamente construído pela ETA, o carro blindado em que se deslocava foi projetado a uma altura de cinco andares, ficando mais perto do Céu.

Na queda, o carro caiu no pátio de um convento. Foi santa e desejada a morte do carrasco.

E, por toda a Península Ibérica, ecoou um grito entusiástico:

“Arriba, arriba Franco, mais alto do que Carrero Blanco”.

Comentários

José Corvo disse…
Não fui há 52 anos que Carrero Blanco voou impelido por uma bomba?

Mensagens populares deste blogue

Insurreição judicial

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime