Marcelo Rebelo de Sousa – Humor e irreverência

Não se discute o Grande-Colar da Ordem Militar da Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito de Portugal, que atribuiu a Cavaco Silva, como ex-PR, mas o Grande Colar da ordem da Liberdade não foi mera homenagem, foi um ato magnânimo para quem a liberdade foi a árvore de que colheu os frutos sem ter de a regar, sem correr riscos, sem se queixar da ditadura com que conviveu em doce enlevo e profundo silêncio.

Foram condecorações que pareceram uma despedida, na pressa da atribuição, logo após a tomada de posse, em 9 de março de 2016.

Esperava-se que, depois das veneras, Marcelo esquecesse o homem que cuidou da vida como poucos; que, impedido de acumular o vencimento de PR com as reformas, optou pelas últimas (mais suculentas) arredondadas com 40% do vencimento de PR (despesas de representação), sem perdoar ao PM que lhe impediu a acumulação; que tudo fez para impedir o atual governo, democraticamente formado na AR, de tomar posse.

Só alguém com o humor e a irreverência do atual PR poderia adivinhar a “sensibilidade social” do seu antecessor Cavaco Silva, recordar que ele “elegeu a inclusão social como tema do primeiro roteiro presidencial”, e de “ter sabido dar o seu próprio exemplo no lançamento da Bolsa de Voluntariado”, quando o país só já recordava as ações da SLN, compradas por ele e pela filha fora da Bolsa e vendidas com substanciais mais valias.

A homenagem que ontem lhe prestou, para o reabilitar perante o país, foi mais do que um ato de caridade cristã, foi um roteiro de boa vontade e uma dose de benzina com que pretendeu branquear o passado de Cavaco. Lembrou a ‘inclusão’ quando a imprensa referiu a exclusão do pagamento do IMI, homenageou-o quando o país queria esquecê-lo.

A frase que Marcelo dedicou a Cavaco Silva, “elegeu a inclusão social como tema do primeiro roteiro presidencial”, não é mera figura de retórica, é o epitáfio que fica para ser esculpido na pedra tumular.

A homenagem da manhã de ontem mostrou um notável sentido de humor. É impossível não se gostar deste PR!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

Efeméride – 30 de outubro de 1975