Assunção na ‘crista’ da onda….

Assunção Cristas a nova dirigente do CDS/PP gosta de alardear e indignar-se com aquilo a que chama as mentiras (dos outros).
 
De quando em vez, na tempestade demagógica que vem alimentando, escorrega e estampa-se.
Quando afirma na entrevista ao Publico que em relação ao Governo a que pertenceu “Nem BES, nem BANIF, nem CGD: O Conselho de Ministros nunca foi envolvido nas questões da Bancalink está a tentar dourar a pílula (já chega de epítetos à volta de 'mentiras').
 
Na memória de todos está a famosa “resolução do BES” em Agosto de 2014, link, decidida pelo Governo de então, em inusitada votação ‘eletrónica’. Ora, este passo tratou-se de um indesmentível envolvimento nas questões da Banca e dada a celeridade com que se ‘fabricou’ a resolução faz todo o sentido entender que o assunto já tinha sido discutido em reuniões ministeriais anteriores ou, então, concluir que se tratou de uma decisão leviana. A escolha é difícil.
 
Para continuar a dourar a pílula Cristas afirma que deu o seu Ok (eletrónico) ao diploma governamental para resolução do BES, 'no escuro’, isto é, sem o conhecer, sem o ler, sem o discutir link.
Tudo isto em nome de uma suposta solidariedade, cega, surda e muda. Só que, para memória futura, fica a notória irresponsabilidade que esta anuência encerra.
 
Todos sabemos que o Governo de Passos Coelho pouco ou nada fez pela banca, mas ‘não havia necessidade’ de uma tão orgulhosa partenaire de Passos Coelho e Portas vir a terreiro lavar as mãos com areia que depois tenta atirar-nos para os olhos. 
 
O CDS e o PSD fazem que velam pela Banca quando estão na Oposição  e dia sim/não salta mais uma comissão parlamentar de inquérito. Quando estão no Governo o assunto é marginal ou, então, um 'não-assunto'.
Devemos tomar nota desta ‘inconformidade’ governativa e bancária… e registar a ‘chicana’.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

A ânsia do poder e o oportunismo mórbido

Nigéria – O Islão é pacífico…

Macron e a ‘primeira-dama': uma ‘majestática’ deriva …