Os conventos irlandeses e os seus esqueletos

As instituições que operam à margem do escrutínio público e do controlo judicial, tornam-se incompatíveis com o Estado de Direito.

As instituições de direito canónico tanto podem permitir o poder arbitrário dos bispos como o exercício discricionário da madre superiora de um convento de freiras ou do superior de uma casa de reclusão de frades.

É impossível saber se as pessoas que numa determinada altura se comprometem à clausura e a outras regras de discutível legitimidade, permanecem eternamente de livre vontade, e se o que é exposto como renúncia voluntária a direitos inalienáveis não passa de cárcere privado.

Os conventos irlandeses foram os principais aceleradores do processo de secularização em curso, tal a dimensão dos escândalos, a prepotência sobre as vítimas e o sadismo que vieram a público.

Já conhecíamos o encerramento de conventos por ordem judicial e a libertação de freiras que os tribunais devolveram à vida normal depois de muitos anos de sofrimento e humilhações.

A descoberta de esqueletos de largas centenas crianças de tenra de idade saltam agora do armário do sigilo pio para vergonha das instituições religiosas e horror das pessoas normais.

As escavações num convento da Irlanda confirmam a investigação de uma historiadora que denunciou que 800 bebés jaziam sob um antigo centro de acolhimento para mães solteiras.

É o começo de um filme de terror num antro da fé e da reclusão que certamente se multiplica pelos vários conventos de freiras da piedosa Irlanda.

O Papa Francisco não merecia que lhe servissem mais este pesadelo.

Comentários

e-pá! disse…
As descobertas recentes sobre o que se passou em (múltiplos) conventos da Irlanda transformados em centros de acolhimento a 'mães solteiras' é um autentico filme de terror.

Mas para além da repulsa e da veemente condenação dos indiscritíveis e horrendos factos que ocorreram no monásticos ambientes irlandeses e que necessitam de ser melhor apurados (a sua dimensão poderá ser horripilante) e publicamente julgados como crimes contra a Humanidade (será essa a sua verdadeira dimensão), o que enoja são as continuas lições da ICAR sobre condutas de vida, moralidades e atitudes pias e caritativas, para esconder aquilo que, sabemos hoje, não passam de abjetos crimes.

As divinas hipocrisias não têm limites... e, dado o seu 'carácter transcendental', podem estar em toda a parte.
Um assunto que merecia mais atenção ou seja mais aturada investigação porque o exemplo irlandês tem todas as características (flutuantes) de ser um iceberg.
Jaime Santos disse…
O ateísmo anti-clerical do Carlos Esperança não impede (e assim é que deve ser) que um homem justo reconheça a decência de outro homem justo, o Padre Jorge Bergoglio... Enquanto houver pessoas assim, eu acreditarei que homens e as mulheres com ideias diferentes poderão apesar de tudo conviver pacificamente. Bem haja...

Mensagens populares deste blogue

A ânsia do poder e o oportunismo mórbido

Nigéria – O Islão é pacífico…

Macron e a ‘primeira-dama': uma ‘majestática’ deriva …