O Vale dos Caídos e a provocação fascista

A exumação de Franco do Vale dos Caídos, o genocida do séc. XX, que integra as listas dos maiores assassinos de sempre, não é só uma exigência ética para com os vencidos, é um ato de salubridade que tarda, pela presença do cadáver de quem mandou construir o monumento faraónico, com trabalhos forçados dos vencidos, para recordar a todas as vítimas quem foram os vencedores.

A incúria de vários governos e o medo dos franquistas, que ainda dominam numerosos sectores da sociedade espanhola, das Forças Armadas à Justiça, das autarquias às Forças policiais, dos partidos de direita à Igreja católica, têm adiado a legalidade democrática.

O Decreto-Lei de 1957, publicado no apogeu da ditadura franquista com a cumplicidade da Igreja católica, permite aos frades beneditinos administrar o Vale dos Caídos.

É aviltante que o Governo permita ao prior Santiago Cantera usar a legalidade fascista para não permitir a exumação de quem, durante quatro décadas assassinou centenas de milhares de espanhóis e esmagou tão cruelmente os direitos humanos.

O múnus não impediu o prior de ser candidato às eleições gerais de 1993 e europeias de 1994 nas listas do partido fascista, Falange Espanhola Independente, defensor do legado de Primo de Rivera, fundador, em 1933, da Falange Espanhola. Alega agora que só com autorização da família do ditador permite ao governo a exumação, sendo o representante da família o general Juan Chicharro, líder da Fundação Francisco Franco. desde a morte da única filha, Cármen, e cujo objetivo é perpetuar a memória e a ideologia fascista do ditador.

A Santa Sé, bairro mal frequentado, de 44 hectares, criado por Mussolini, diz que não se imiscui nos assuntos de Espanha. O Papa Francisco não consegue que a cumplicidade de Franco e da Igreja católica espanhola, no genocídio do seu povo, seja revogada.

E o fascismo avança. A Igreja, que podia agora distanciar-se, está mais interessada nos privilégios, entre os quais avultam as isenções fiscais e o óbolo de 0,7/% do IRS [IRPF], sendo a única confissão religiosa que usufrui de tal benefício.

A gula eclesiástica que a legislação franquista, reiterada por Aznar, alimenta, é agravada por hábitos que mantêm tóxicos os báculos, conspurcam as mitras e infetam os anelões.

Ponte Europa / Sorumbático

Comentários

Porque se escreve tão poucas vezes que o exército franquista jamais conseguiu vencer o Republicano e que foram as querelas internas da Esquerda que permitiram a Franco, finalmente,
entrar em Madrid sem disparar um tiro ?

Mensagens populares deste blogue

Vasco Graça Moura

A lista VIP da Autoridade Tributária

Notas sobre a crise venezuelana…