Evangelização à força

O Papa Bento XVI, ao mesmo tempo que afirma que os filhos não são propriedade dos pais, pede a estes que eduquem os filhos na verdadeira liberdade, eufemismo com que designa a religião católica.


Acompanho o Papa a considerar falsas todas as outras religiões e só lhe acrescento a sua. Nego-lhe, todavia, autoridade para se pronunciar sobre os deveres dos pais não católicos que terão, quanto aos próprios filhos, maior legitimidade.


Sei por formação profissional como é fácil doutrinar e fanatizar crianças e o perigo que representa entregá-las ao cuidado das madraças, sejam elas muçulmanas ou católicas. O baptismo católico, ou outro, e posterior doutrinação, coarctam a liberdade de escolha de quem deve ser educado para a liberdade e não para a obediência a um credo.


Um pouco por todo o lado, há crentes que não se limitam a conquistar para si o Paraíso, querem impô-lo aos outros, como é o caso do Papa.


O Vaticano tem na sua história o rapto da criança judaica de 6 anos, Edgardo Mortara, removida à força pela polícia papal aos pais, em Bolonha, 1858, então integrante dos Estados Pontifícios. Os inquisidores que ordenaram o rapto da criança usaram o pretexto de que tinha sido baptizada in extremis por uma criada.


A doutrinação de crianças, política, religiosa ou filosoficamente, incluindo naturalmente o ateísmo, é uma forma de atentar contra a liberdade, a pretexto da vontade de um deus inventado pelos homens na Idade do Bronze.

Comentários

Anónimo disse…
abraço...
sempre oportuno nos comentarios postos...
Anónimo disse…
CE, vamos citar crimes + recentes do Vaticano!!!

As atuações do Vaticano no século XX ....
Croácia de Pavelic, o Vietnam-Saigon de Ngo DInh Diem ou o holocausto de Ruanda!!
Rui Luzes Cabral disse…
Por esta lógica, um comentário: Será que é correcto colocar as crianças, assim tão cedo, na escola, para aprender a ler e a escrever? Agostinho da Silva duvidada e eu até percebo. Não será também coactar-lhes a liberdade e a escolha, pois elas podem nunca querer saber dessas coisas.

É obvio que os pais - e não vejo mal nisso - querem aos seus olhos, o melhor para os filhos, senão todas as crianças do mundo eram "máquinas" à espera de consciência para se auto-formarem. Não vejo afecto, responsabilidade, nem grande futuro em tal tipo de educação. Seria uma pasmaceira completa. Ninguém poderia dizer "nada" aos filhos, praticamente. Assim que escolha seria a deles.
Para já fico-me por aqui...
Zeca Portuga disse…
"madraças, sejam elas muçulmanas ou católicas".

Falar de madraças católicas é o mesmo que falar das baleias do deserto do Sahara!

Por aqui se nota o rigor, os conhecimentos próprios da cultura do autor, bem como suas sadias ideias.

Neste país, a educação dos filhos é, legalmente (constitucionalmente até), um direito e uma obrigação dos pais.

Diz o autor que sabe muito bem como se podem "depravar" crianças... Não precisa de exemplificar, proque ateus como ele deram um exemplo na Casa Pia... nós já conhecemos!!!

Mensagens populares deste blogue

Os incêndios e a chantagem ao Governo

O último pio das aves que já não levantam voo