A Espanha, a direita e a Igreja católica


Em Espanha, tal como as sondagens prenunciavam, a direita (PP) ganhou com a maior maioria de sempre enquanto o PSOE sofreu a sua maior derrota, após a ditadura. A crise internacional, a crença do eleitorado na mudança, o desemprego brutal e as medidas de austeridade de Zapatero foram o húmus onde a vitória da direita floresceu. Não foi o PP que ganhou o poder, foi o PSOE que o perdeu.

Rajoy ganhou com a mais ampla maioria o mais estreito caminho para governar. Teve o bom senso de não fazer promessas e apenas contava com a complacência dos mercados face à maioria absoluta, expectativa gorada com a subida dos juros da dívida soberana, na segunda-feira posterior à vitória, para níveis nunca atingidos.

Curiosamente, a direita espanhola ganhou, à terceira tentativa, com o mesmo líder que perdeu as duas anteriores eleições enquanto em Portugal a direita homóloga conquistou o poder ao quinto líder acabando por se resignar com o menos experiente e preparado. Mas o que vier a acontecer a Espanha é semelhante ao destino que está reservado a toda a União Europeia com os governos limitados à obediência aos mercados, com o poder político submetido à ditadura financeira e à impotência face ao empobrecimento.

Neste tempo de incerteza, com o centro de gravidade política, económica e financeira a deslocar-se para o Pacífico, as lideranças titubeantes da velha Europa não tranquilizam os Governos em exercício. A Espanha, para além do espectro das autonomias, está agora sob o ataque dos mercados que ameaçam destruir os países da União Europeia, a moeda e o mais longo período de paz, prosperidade e justiça social da sua História.

Talvez por isso foram sóbrias as manifestações de alegria dos adeptos e, sobretudo, dos dirigentes do PP. Quem entrou em euforia foi a Igreja católica, sedenta de desforra de um Governo laico que, pela primeira vez em Espanha, concedeu liberdade religiosa a todas as religiões.  

presidente da Conferência Episcopal Espanhola, Rouco Varela, dá o seu «apoio espiritual» a Rajoy, apoio que é mais capaz de prejudicar a direita do que de ajudá-la. A Igreja católica recebe do Estado, em Espanha, 10 mil milhões de euros por ano. Não é fácil que o futuro Governo possa ultrapassar tão imensa generosidade.

Rouco Varela, o velho franquista que jamais se comoveu com os milhares de espanhóis fuzilados e atirados para valas comuns, rejubilou agora com os resultados eleitorais que não são mérito das homilias cúmplices mas das circunstâncias. O cardeal, que preside à Conferência Episcopal Espanhola, nunca ocultou o ódio ao governo socialista e já louvou o novo governo mas é inflexível nas exigências à direita que Rajoy, ao contrário de Aznar, não quer ver confundida com o franquismo.  Rouco exige alterações à lei do aborto, a suspensão das aulas de Educação para a Cidadania e fortes subsídios para transformar a Cáritas num instrumento poderoso ao serviço da sua Igreja, enquanto reincide nos violentos ataques aos casamentos entre indivíduos do mesmo sexo.

Com tal amigo, o governo e a Espanha arriscam-se a confrontos gratuitos, agora que a ETA capitulou sob a pressão implacável do governo socialista. Rajoy não apresentou ainda programa e já é alvo de exigências da Sr.ª Merkel. Não o salvará a «humilde colaboração» e o «apoio espiritual» oferecidos por Rouco Varela.

Ponte Europa / Sorumbático

Comentários

Maquiavel disse…
É caso para dizer: fia-te na Virge e näo corras...

Mensagens populares deste blogue

Insurreição judicial

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime