Momento Zen de segunda_07-11-11

Os limites da paciência com os beatos

João César das Neves (JCN), na sua homilia de hoje, no DN, «Os limites dapolítica», elevou o disparate à categoria de dogma e a crença ao nível da esquizofrenia.

Misturando a política com a Igreja Católica Apostólica Romana (ICAR), em coerente atitude com a religião, que nunca deixou de se intrometer nos assuntos profanos e de se infiltrar no aparelho de Estado, JCN faz propaganda partidária e proselitismo religioso debitando tolices que julga serem inspiradas pelo seu deus.

O ataque rancoroso às leis do divórcio, do casamento entre indivíduos de mesmo sexo e da descriminalização do aborto é a atitude de quem prefere os 44 hectares de sotainas que Mussolini (enviado da Providência, segundo o Papa da altura) erigiu em Estado, às instituições portuguesas legitimadas pelo voto. Não compreende que a lei da I. V. G. não teve os efeitos perversos que previu e que beneficiou as mulheres sujeitas ao vão de escada e à prisão; nem vale a pena explicar-lhe que um embrião não é uma pessoa e que o seu estudo pode conduzir a avanços notáveis na medicina.

A obsessão de JCN por uma vaga no Paraíso fá-lo condenar o actual Governo, não pelos direitos que retira aos trabalhadores mas pela eventual abolição de feriados que a Igreja dele apelida de dias santos. Segundo JCN, deve o Governo cortar nos dias de férias mas nunca em dias tão sagrados como, por exemplo, o Corpo de Cristo (seja isso o que for), a Imaculada Conceição de Maria ou a Assunção de Maria (alegada viagem do corpo e da alma para o Céu, local que nenhum atlas de geografia regista).

Tal como para os outros talibãs, também para este católico, as leis devem ser conformes à sharia romana.

Comentários

Eu,um simples operário emigrante na Holanda desde 1964 e já velho,
atrevo-me a dizer ao senhor João César das Neves que no meu fraco entender admito que haja gente que acredite na existência de Deus,mas
o que eu não posso admitir em meu raciocínio é que haja quem se atreva a definir Deus,os(teólogos)
e pior um pouco,dizer que falou com êle como o Moisés e que dêle recebeu as Tábuas da Lei ou seja os Dez Mandamentos dos biblico-judaico-cristãos.O Homem é que criou Deus à sua imagem e semelhança e a respectiva Religião segundo os seus interêsses.Todas as Religiões são o ópio do Povo e são usadas pelos <poderosos para
manter o Povo submisso e ajoelhado.

Mensagens populares deste blogue

Insurreição judicial

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime