A autópsia de um desastre anunciado


Tudo o que podia correr mal, correu efetivamente mal, e da pior maneira, ao líder que o PSD elegeu para ser transitório e, por vicissitudes do calendário eleitoral, se tornou PM.

Medíocre na gramática e perdido nas funções, sem uma ideia consistente ou um dossiê estudado, Passos Coelho suicidou-se em direto no canal público e perdeu por inépcia  a legitimidade que as urnas lhe deram. Sem um módico de discernimento. Sem noção das responsabilidades. Sem um projeto mobilizador ou uma desculpa aceitável.

Tropeçou nas respostas e nem as perguntas percebeu. Teve oportunidade para recuar no esbulho de 7% aos trabalhadores que nem os patrões lhe agradecem. Deu cobertura aos que apostaram fazer de Portugal um laboratório de experiências perigosas e, obstinado, persiste no erro como um drogado no pó que inala.

A vocação helénica, não na cultura milenar mas no descalabro recente, foi a constante de uma penosa entrevista em que não se deu conta da tortura a que foi submetido e do terror que infundiu nos que dependem das suas decisões.

Já não há remodelação que lhe valha sem começar por si. Já não há futuro para Portugal que passe por este primeiro-ministro. A agenda ultraliberal resultou no Chile graças à polícia política, não resulta na Europa onde ainda se respeita a democracia.

Passos Coelho não é apenas o  político incompetente, é um indivíduo medíocre que não percebe que conduz Portugal a caminho de Atenas. É a tragédia que se adivinha.

Comentários

A entrevista foi de facto um espetáculo deplorável. Passos fugiu às perguntas - que, como se diz no post, se calhar nem percebeu - e limitou-se a papaguear mais uma vez a cartilha que os propagandistas do seu partido elaboraram para uso dos serventuários do governo.
JotaB disse…
Este 1º ministro é completamente desprovido de ideias!
É um descomunal ZERO!
Enquanto o deixarmos, se o deixarmos, irá continuar a empobrecer Portugal e os portugueses.

**
Cantiga da velha mãe e dos seus dois filhos - Mãe coragem
Música: José Mário Branco
Letra: Sérgio Godinho

http://www.youtube.com/watch?v=NsYsIL0OZ0Q
Manuel Galvão disse…
Sócrates e PCoelho são simples capatazes. Os Patrões não se dão ao incómodo de fazer política pessoalmente, para não se queimarem.
Hoje em dia, os primeiros-ministros só têm que ser bons executantes das políticas traçadas no bastidores pelos Donos de Portugal.
O problema é que nem isso PCoelho consegue... ao contrário de Sócrates.
Os patrões semi-arruinados são 100 mil e os que estão bem são meia-dúzia que perderam uns milhõezinhos em más acções...

Os donos de Putocale estão nos ministérios todos e tiram menos de 100 mil por ano

Os patrões da construção civil pagam 20 a 30% dos lucros de luvas autárquicas e partidárias

logo o país tem muitos donos

Assinado: ex-dono de putocale a 24 mil em recibos verdes

agora pagam 30,7%

vou ficar no fundo de desemprego até ele acabar

que já descontei mais de 50 milenas para a segurança social e nunca as vou ver de volta

e 50 mil em menos de 12 anos
e foram 1300 contos para a Caixa de aposentações

para ouvir ou ler parvoíces de merda do tempo do Prec

é um país estático mesmo....
e nem me posso reformar como voçês aos 52 ou aos 58...

vou tentar a debilidade mental
quem contribui para as reformas dos outros e não vai ter nenhuma

ou uma decrescente do conto de réis de 1973 para os 6 contos em 1983

que nada compra
pelo menos na rússia esperam-me
uns 2000 rublos

o rublo anda a quanto?

Mensagens populares deste blogue

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime

Tunísia – Caminho da democracia ou cemitério da laicidade ?