A Espanha, o PP e o Opus Dei


O atual governo espanhol procura subverter a lei que impede a discriminação de sexos para financiar colégios da pouco recomendável instituição onde só aceitam alunos de um dos sexos. A coeducação – um avanço na igualdade de género – é, no Opus Dei, um ódio de estimação semelhante ao de Maomé pelo presunto.

Apesar do acórdão que impede o financiamento, em tais circunstâncias, o ministro da tutela pretende transferir avultadas quantias do debilitado tesouro espanhol para os padres do Opus Dei. Há favores eleitorais a pagar. É preciso contornar a jurisprudência.

A propaganda dos êxitos escolares dos colégios do Opus Dei disfarça a intolerância e a discriminação. É a publicidade escondida com o rabo do preconceito de fora.

Os membros do Opus Dei, uma instituição extremista da Igreja católica, fundada por um admirador de Hitler e incondicional de Franco, santo em troca do apoio financeiro ao Vaticano, após a falência fraudulenta do Banco Ambrosiano, exigem dinheiro do Estado em troca do apoio eleitoral ao PP.

Os alunos são escolhidos para os seus colégios, apesar da alegada tolerância para com as convicções religiosas dos pais, depois do escrutínio da vida familiar e religiosa dos progenitores.

Para os colégios femininos só contratam professores do sexo feminino, exceto os padres para a direção espiritual, pois as mulheres, mesmo as do Opus Dei, não estão isentas do pecado original e, por isso, estão impedidas de ser membros do clero e de ministrar os sacramentos, salvo o batismo in articulo mortis.

Para o Opus Dei só há um Deus verdadeiro – o seu. Para todos os radicalismos só existe uma verdade – a sua.

Não é difícil adivinhar o que entendem por moral as mulheres dedicadas à oração, às flagelações e ao ensino, para encherem os cofres da Obra. Basta uma frase para se perceber a intolerância para com as mulheres divorciadas: 

«Por exemplo, se uma professora é recasada, dificilmente conseguirá passar a mensagem de que o casamento é indissolúvel». 

Só surpreende que um estado laico alimente estes preconceitos à custa do orçamento.

Ponte Europa / Sorumbático

Comentários

e-pá! disse…
A presença da 'santa máfia' no aparelho de Estado espanhol é endémica, avassaladora, diria mesmo, com laivos de totalitarismo.

Os 'milagres' (económicos e sociais neste caso) sucedem na maior das impunidades e, pior, com o fiel sustentáculo da direita demo-cristã já que é capaz de induzir público reconhecimento a muitos crentes e perplexidade alguns incautos.
Por exemplo - e para sair da área educativa onde os exemplos se sucedem em catadupa - na área da saúde quem questiona a 'Clínica Universitária de Navarra' uma referência europeia na área dos transplantes e da Oncologia? Mas existe uma outra face da moeda: alguém se recordará que a eficiente 'Clínica de Navarra' é um 'produto' de casos (fraudes) como Matesa e Rumasa?
andrepereira disse…
e que se passa no nosso Portugal?
Pedro Luna disse…
Há que pôr a boca no trombone e denunciar as máfias - por exemplo, cá em Portugal, pior do que a Opus Dei, há a Maçonaria (ou as maçonarias, para ser mais correto).

Mensagens populares deste blogue

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime

Tunísia – Caminho da democracia ou cemitério da laicidade ?