A censura está de volta envolta em pobreza




A esquizofrenia censória do Doutor Miguel Relvas, visando o controlo e intimidação da comunicação social, vislumbra cabalas contra o precário e funesto primeiro-ministro. O fiscal da liberdade de expressão ameaça os jornalistas dos jornais privados e dos órgãos que tutela. Com a obsessão de limitar a independência dos operadores públicos, deseja eliminar os operadores públicos.

Urge impor limites ao poder discricionários do ministro da tutela. A vocação censória do atual Governo promete revolucionar o audiovisual em Portugal e regressar ao exame prévio, sem os métodos obsoletos dos monsenhores e dos coronéis da ditadura. Basta entregarem todos os meios de comunicação social ao capital privado.

A continuidade do Doutor Relvas no cargo revela que não é um epifenómenos deste Executivo sem rumo, projeto ou capacidade para governar. Sonhou destruir o serviço público de comunicação social para que o Governo, à míngua de capacidade, gozasse de impunidade mas, depois das últimas manifestações, já lhe deve minguar o fôlego para privatizar a RTP, ignorar a Constituição e afrontar  o Tribunal Constitucional.

Sabemos como o poder económico limita a liberdade de informação, na defesa dos seus interesses. Se o poder político abdica da defesa da liberdade e se submete aos interesses privados comete um ato de incúria e covardia que os democratas não podem consentir.

Passos Coelho é regente do Governo PSD/CDS há pouco mais de um ano, graças a um PR sem grandeza nem especial cultura democrática. Na pressa de despedir Sócrates, um ódio de estimação, não esperou por um líder do PSD mais capaz. PPC, inexperiente e rodeado dos mais implacáveis ultraliberais, Vítor Gaspar, Braga de Macedo e António Borges, acabou traído por Paulo Portas, especialista na arte da sobrevivência política.

A três anos do fim do mandato, assiste-se já à fase terminal de um Governo que teve a unção de Cavaco, a contribuição de todos os partidos da oposição e os votos da maioria dos portugueses. Perante o vendaval que varre os mercados financeiros e a pressão que a Europa suporta, Portugal experimentou o pior dos seus governos democráticos.

Esta experiência falhada para resgatar o País do caminho errado que atribuiu ao anterior Governo só nos trouxe menos liberdade, menos justiça social e uma profunda depressão envolta na pobreza que alastra e no desespero que não para.

Comentários

O comunicado saído da reunião do conselho de Estado foi uma requintada e requentada manifestação de hipocrisia política. Reflete a posição do PR de apoio ao governo e acentua a subjugação de Portugal à política federalista da UE, ao dar o seu aval à União Bancária Europeia, o primeiro passo de um tenebroso plano, que também contempla a criação da figura do Ministro das Finanças Europeu, cujo objetivo é retirar aos países do Euro a independência em matéria de política orçamental.
Este PR perdeu a capacidade para influenciar os acontecimentos. Já ninguém o leva a sério.
Na história recente da democracia portuguesa nunca houve um Presidente da República e um primeiro-ministro tão desacreditados. Têm de ficar confinados nos seus gabinetes, pois, quando aparecem em público, são vaiados e insultados. Inevitavelmente, esta situação vergonhosa tem de ter consequências políticas.
e-pá! disse…
A 'estratégia relvista' foi abordada por Clara Ferreira Alves num artigo opinião publicado na revista do Expresso (22.09.2012)sob o título: 'Relvas precisa do tal canal'...

Mensagens populares deste blogue

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime

Tunísia – Caminho da democracia ou cemitério da laicidade ?