Momento de Poesia




Não sei o que te diga…

Não sei o que te diga
nesta  vertigem do instante em que me falas
do espasmo da tua voz dorida
e do espanto do teu olhar magoado…

Não sei o que te diga
da saudade vertida na minha memória distante
quando recordo aquele fulgurante instante
do beijo ardente perdido na despedida…

Não sei o que te diga
nem te digo o que sinto e penso
quando dizes ouvir os gritos do meu silêncio
ou que o meu nome ainda esteja escrito
na porta da casa em que tu habitas…

Não sei o que te diga
nem entendo o que procuro
quando me entrego à profecia dos oráculos
para saber quanto tempo será preciso
para que o amor que me dedicas
seja a luz do meu caminho
e o afago do meu tormento…

Alexandre de Castro
Lisboa, Setembro de 2012

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime

Tunísia – Caminho da democracia ou cemitério da laicidade ?