E agora, Sr. PGR?

O registo e eventual escuta de 80 mil telefonemas oriundos de 208 números muito confidenciais – como refere o Expresso –, pertencentes às mais altas figuras políticas e da própria magistratura, incluindo o PGR, significa que a política está refém da polícia.

Antigamente a PIDE espiava a oposição, agora o Ministério Público vigia os políticos?

Se é verdade o escândalo revelado pelo «Correio da Manhã» não vivemos num Estado de direito, estamos à mercê da chantagem e do poder discricionário de forças ocultas.

Sendo o Ministério Público uma magistratura hierarquizada, a ser verdade que o vértice da pirâmide esteve sob escuta, um leigo pode julgar que o Dr. Souto Moura foi escutado como alibi para disfarçar uma conspiração ou como vítima de subordinados que o não respeitam.

Num ou noutro caso as instituições democráticas estão em causa. Justa ou injustamente o PGR está em situação que o assassínio moral de Ferro Rodrigues tornou insustentável.

Isto é demasiado mau para ser verdade e excessivamente repugnante para que possa passar impune.

Comentários

antonio disse…
hello
gostei muito fo teu blog

estou na belgica e estou a aconpanhar esta crise da justiça que vergonha mas nao encontro na net a lista que veio publicada no 24 horas sabes-me dizer se a posso ver ?
Agradecia-te
obrigado
Anónimo disse…
Quando, de forma leviana, se embarca em notícias sensacionalistas, deve-se, quando a montanha pare um rato, ter a humildade democrática, de rectificar aquilo se escreve, penso que emocionalmente. Ficava bem ao autor desta notícia corrigir algumas asneiras, algumas incorrecções e para a próxima pensat que, apesar de tudo, ainda somos um país europeu, onde há regras na justiça ......
antónio:

Não sei corresponder ao pedido. Apelo para algum leitor do Ponte Europa que o possa fazer.

Só conheço o que disse o 24 horas por outros jornais. Não conheço qualquer lista.

Começa a ficar claro que houve uma conspiração contra o PS e tudo ameaça ficar impune.

Destruíram a carreira política de Ferro Rodrigues, um notável ministro de Guterres e de Paulo Pedroso.

Os violadores do segredo de justiça ficaram impunes.
Caro anónimo das 12H39 AM:

Onde estão as «asneiras» e «incorrecções»? Onde mora a leviandade?

Quanto às regras da justiça sei que as há. Mas quem as cumpre?

Adelino Salvado foi punido? Onde pára Felícia Cabrita? A D. Catalina emudeceu? Aquele advogado ex-aluno da Casa Pia (Namora) já não dá entrevistas?

Há qualquer coisa no ar que cheira mal. Eu quero respostas. Quem pediu as escutas (MP), quem as autorizou (juiz) e qual o fundamento?

Se não me responderem a isto estamos pior do que se julga.
Anónimo disse…
Ficámos todos a saber que o Esperancinha é um grande leitor do 24 horas... esse jornal fantástico, feito por pessoas fantásticas... de uma qualidade literária digna da Alexandra Fernandes e do Carlos Castro...
Por falar em Carlos Castro, já percebi porque é que o Esperancinha gosta tanto do 24 horas.. hummmmmmmmmmmmm
Carlos Alberto disse…
Se bem me lembro

Ferro Rodrigues disse estar-se “cagando para o segredo de justiça” – teve direito a dizê-lo.

Apesar dos artigos de opinião de imensas virgens vestais, verifico que até esta data não está sozinho. Imensa gente cagou-se" para o segredo de justiça.

Não é necessária acusação judicial. Basta a insinuação, e uma ou outra saída cirúrgica para alguns órgãos de informação servis, de uma simples conversa telefónica particular, e está criado um facto politico e é a ruina do carácter de um cidadão.

Um dia saberemos toda a verdade. Saberemos quem quis, e porquê, assassinar politicamente o líder do principal partido de oposição
Carlos Alberto:

«Um dia saberemos toda a verdade. Saberemos quem quis, e porquê, assassinar politicamente o líder do principal partido de oposição.»

Resposta: Quem me dera poder acompanhá-lo nessa fé. No resto, incluindo a intervenção cívica no seu blog, estou de acordo e aplaudo.
Cónego D. Frederico... disse…
Já devia ter sido demitido, desde o caso das fotografias. Pusessem lá a sua própria foto... Pois é!

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

Efeméride – 30 de outubro de 1975