Presidenciais Quem Tapou Quem


Na noite das presidenciais alguns queixaram-se porque de facto foram submergidos pela cobertura mediática, voluntária ou involuntariamente, a verdade é que o foram.
Uns sobrepuseram-se a outros, mas o que parece claro é que as televisões se guiaram por estritos critérios jornalísticos.
Senão vejamos quando o Líder do PSD começou a falar, logo depois iniciou o seu discurso o candidato Jerónimo de Sousa, entretanto o presidente eleito Aníbal Cavaco Silva aparece à varanda e responde às primeiras perguntas dos jornalistas, a televisão volta a mudar de cenário. Pouco depois, enquanto Cavaco se dirige para o CCB, começa a falar o candidato Manuel Alegre, inicia poucos minutos depois o seu discurso o Primeiro-ministro e finalmente fala o novo Presidente eleito.
Só Mário Soares não tapou ninguém, porque mais rapidamente percebeu e aceitou humildemente os resultados e por isso foi o primeiro a falar.
Em segundo lugar fala o candidato Francisco Louçã e o seu discurso também passa na íntegra nas televisões.
Não ignoro que todos devemos saudar o novo presidente, os portugueses escolheram e a sua vontade é soberana, está feito os portugueses têm um novo Presidente.
Estão de parabéns todos aqueles que votaram Cavaco Silva e que acreditaram que este deveria ser o novo presidente, mas também todos aqueles que não votaram nele. Todos contribuíram para uma contenda eleitoral digna e disputada, não há vencedores sem vencidos e o país está de parabéns.
Importa agora perguntar que horas serão em Kuala Lumpur ?

Paulo Alves

Comentários

primárias disse…
Sócrates apoiaria incondicionalmente Alegre na segunda volta, assim reza um Diário.
É bom que se pacifiquem as hostes do PS. O País precisa de estabilidade e o PS não pode dar argumentos a qualquer tentação do novo Presidente.
E que se democratize mais o PS. Que se criem eleições primárias para todas as eleições. Para que se aprenda de vez a grande Lição de Mário Soares: a Política é uma actividade nobre e digna. Em democracia, a nobreza e dignidade dessa actividade exige mais espaços de participação de todos quando verdadeiramente interessa, ou seja, quando está em causa escolher os candidatos a eleições presidenciais, legislativas, europeias ou autárquicas.
Caso contrário, se os partidos funcionarem apenas como comissões de festas e de caciquismo, regendo-se pela obediência ao Chefe, então a democracia, como diria Soares, não passará de um "simulacro".
Anónimo disse…
Claro que quem manda agora nos partidos dificilmente poderá concordar com isto...
Mas há que pensar a médio prazo.
E criar aulas obrigatórias de participação cívica, assim como de condução automóvel e computadores.
O bem-comum não é um problema só "deles", sejam os governantes ou outros. O bem-comum é um problema nosso, pelo qual todos somos responsáveis.
Anónimo disse…
Amigo Paulo Alves

Nem todos estão de parabéns. A tralha Guterrista, instalada na sede do rato, é a única responsável pela chegada de Cavaco a Belém. Não adianta tapar os olhos e fazer de conta que não aconteceu nada. Os 14% de votos que Soares teve, correspondem àqueles Portugueses que, mesmo que o PS concorra com um Burro, votam no PS.
Ninguém acredita em Vitores Batista e outros que tal. Só é pena que muita gente, no PS, não queira perceber que a sociedade os rejeita. São incapazes de dar lugar a outros...
Ou o governo PS percebe que está a seguir um caminho errado, ou daquí a 3,5 anos o sonho de Sá Carneiro realiza-se: um Governo, uma maioria, um Presidente.
paulo alves disse…
Caro Amigo
Não concordo nada contigo.Aqueles (inclusive socialistas) que branquearam constantemente os governos de Cavaco é que contribuíram agora para a sua eleição. Mas acho que a palavra decisiva teve o povo sem margem para dúvidas.Qunto aos 14% acho que significam que a esquerda estava profundamente dividida.
A próxima sondagem aos partidos confirmará ou infirmará esta tese.
Finalmente quanto á tralha guterrista é que não estou nada de acordo, Guterres foi um excelente primeiro-ministro e acompanharam-no pessoas de muita qualidade.É verdade que nem todos eram de qualidade, mas isso também aconteceu com Cavaco e hoje é Presidente.
Quanto ao burro, penso que é um pouco exagerado.

Mensagens populares deste blogue

Goldman Sachs, política e terrorismo financeiro

Miranda do Corvo, 11 de setembro

Maria Luís e a falta de vergonha desta direita