Momento de poesia


Matéria

O pedaço de lama,
Que se amontoa
Na rua,
Não tem tragédia nem drama.
E se alguém perguntar a essa lama,
Se prefere ser chama,
Ela responderá unicamente,
Sadicamente:
− Quero ser lama.

Também o meu corpo todo,
Crepita, como lume,
A ambição de ser lodo,
Ser estrume.
Como que sinto cá dentro,
Uma voz que grita, berra,
Vinda do centro
Da terra.

O convite brutal
Da seiva vegetal.
O apelo remoto,
Da faminta raiz que quer azoto…
E eu, que não consigo
Cumprir-me nesta vida transitória,
Guardo-me todo à glória
De ser húmus na terra que dá trigo.

O estranho prazer
De apodrecer,
Feliz,
Amamentando uma raiz…
.
Armando Moradas Ferreira

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Associação Ateísta Portuguesa (AAP) - RTP-1