Associação Ateísta Portuguesa - Comunicado

COMUNICADO

A Associação Ateísta Portuguesa (AAP), sem se pronunciar sobre assuntos literários ou estéticos, que não são da sua competência, tendo sobre o Antigo Testamento a mesma opinião de José Saramago, vem publicamente manifestar a sua posição sobre a polémica em curso, na sequência da publicação do livro «Caim».

Não é, todavia, a identidade de pontos de vista, quanto à Bíblia, que leva esta Associação a solidarizar-se com o Nobel da Literatura. A sua opinião é para nós, que defendemos a liberdade de expressão, tão legítima como a sua contrária.

O que leva a AAP a solidarizar-se com Saramago é a cruzada que os meios católicos mais intolerantes já puseram em marcha. Os judeus vieram igualmente com ataques agressivos e usando uma linguagem exaltada. O presidente da Comunidade Islâmica de Lisboa, Abdool Vakil, já afirmou que “os livros sagrados e a religião têm de ser respeitados”, o que se afigura uma ameaça face aos frequentes exem-plos mundiais de atropelos do Islão à liberdade.

Numa sociedade livre e democrática é tão legítima a liberdade criativa de um grande escritor como as tolices bíblicas dos crentes. O que não é tolerável é o clima de intimidação e a linguagem agressiva que já sopra das igrejas, mesquitas e sinagogas.

A liberdade é uma bênção conquistada contra o desejo dos clérigos que sempre a combateram. É uma herança do Iluminismo que nenhum pretexto pode servir para pôr em causa.

Assim, a AAP manifesta a José Saramago a sua simpatia na luta contra o obscurantismo e aconselha os trauliteiros profissionais a ler o Antigo Testamento. Talvez passem a envergonhar-se das ideias que professam e, sobretudo, da violência com que as querem impor.

José Saramago é um escritor de talento reconhecido mundialmente e que, sendo ateu, frequentemente desperta críticas de figuras religiosas contra a sua prosa. A AAP compreende estas reacções e defende o direito à crítica, ao diálogo e à expressão das crenças de todos, sejam ateus ou religiosos, sejam escritores ou sacerdotes. A liberdade de expressão é fundamental para o convívio saudável das crenças e descrenças que compõem a nossa sociedade.

No entanto, a AAP lamenta as críticas dirigidas à pessoa de Saramago em vez de focarem o que ele escreveu e que, aparentemente, a maioria dos críticos nem sequer leu. Sugerem, inclusive, que Saramago mude de nacionalidade, que a «densidade de leitura» da Bíblia está fora da sua capacidade e que as suas declarações são «cretinas».


Estas críticas têm demonstrado que, para muitos religiosos, importa mais respeitar crenças que pessoas, justificando-se atacar quem lhes diga mal das crenças. É uma perigosa inversão de valores, pois são as pessoas que têm sentimentos, que têm direitos e que existem para os seus próprios fins. As crenças são apenas ideias abstractas que podemos aceitar ou rejeitar conforme quisermos.

Revelam também, estes ataques a Saramago, a incapacidade de refutar racionalmente as afirmações do escritor. Foi notória a falta de explicações por parte de quem se limitou a apontar defeitos a Saramago e a dizer que a Bíblia é muito complicada.

Ninguém explica por que motivo nos deve inspirar em vez de preocupar a demente decisão de Abraão, disposto a matar o seu filho em nome da religião. Ou o que o sofrimento de Jó demonstra, por uma aposta divina, além da terrível injustiça.

Por isso a AAP apela aos críticos de Saramago que se cinjam às declarações deste, que expliquem a sua posição e que participem no diálogo de uma forma racional. Que não confundam críticas a crenças com críticas a pessoas; cada um é o que é mas todos, mesmo com alguma dificuldade, somos capazes de mudar de crenças.

Acima de tudo, a AAP apela para que se aproveite esta polémica para dar um bom exemplo de como debater ideias e conviver com quem pensa de forma diferente.

Associação Ateísta Portuguesa – Odivelas, 23 de Outubro de 2009

Comentários

Perfeitamente de acordo.
Saudações
Manel disse…
Eu já estou a ler o livro Caim do Saramago, pois já li a bíblia.
e-pá! disse…
A Bíblia para os cristãos - católicos, protestantes, evangelistas, ortodoxos, etc - serve para tudo…
Para afirmar, ou negar, as mais imaginárias proezas, narrativas ou elucubrações.

Faz-me lembrar as dúvidas e as interrogações que sempre os venezianos alimentaram sobre as narrações de Marco Polo debitadas no seu cativeiro em Génova no final do séc. XIII, onde em pleno cativeiro "ditou" um peregrino livro.

As viagens de Polo e as suas revelações transportam-nos para as "religiões do livro"...

A grande diferença estará, suponho, no estilo...
A Bíblia é um livro (ou melhor, uma espécie de biblioteca de livros escritos por vários autores e em épocas diversas) interessantíssimo, que nos retrata a cultura das pessoas de certa parte do mundo em certa época histórica.
É pelo menos tão interessante como, por exemplo, os poemas de Homero.
O que é absolutamente estúpido é considerá-la como um livro "sagrado" ou como uma "verdade revelada por Deus", quando no fundo apenas retrata a imagem que certo povo tinha em certa época do "seu" deus.
Tal estupidez tem provocado milhares de guerras e milhões de mortos, ao longo de milhares de anos.
Ainda hoje esse e outros livros "sagrados" causam absurdamente gravíssimas fracturas na humanidade, que redundam em actos terroristas e guerras intermináveis, que chegam a pôr em causa toda as conquistas da civilização.

Mensagens populares deste blogue

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime