Mário David – Bem-aventurado analfabeto


Mário David não é um solípede à solta ou um inimputável analfabeto, é eurodeputado do PSD e vice-presidente do Partido Popular Europeu. Por isso as suas palavras podem ter eco, ser tomadas como boas e levadas a sério como se fossem de um homem culto e sensível.

Bem sei que Mário David, de que nunca tinha ouvido falar, é o Sousa Lara que entra na quota de todas as lideranças do PSD, o censor que honra o Santo Ofício, o analfabeto que, à semelhança do Sr. Duarte Pio, nunca leu Saramago e não gosta.

Mário David, sei-o agora, é o bem-aventurado primata que deseja a glória celeste na convicção de que há reino dos céus reservado aos pobres de espírito.

Pedir a Saramago, o Nobel do nosso contentamento, o mais admirável ficcionista do último século, não é de quem usa a cabeça mas de quem se serve dos pés. Todos.

Mário David afirma, referindo-se a Saramago: "Tenho vergonha de o ter como compatriota! Ou julga que, a coberto da liberdade de expressão, se lhe aceitam todas as imbecilidades e impropérios?"

Que quererá fazer este Sousa Lara, digo, Mário David? Quererá queimar o escritor? Retirar-lhe a nacionalidade? Ter a glória de Nero por incendiar Roma ou o nome nos jornais pela indigência intelectual?

Outra pérola deste analfabeto literário: “Se a outorga do Prémio Nobel o deslumbrou, não lhe confere a autoridade para vilipendiar povos e confissões religiosas, valores que certamente desconhece mas que definem as pessoas de bom carácter”.

Foi o bom carácter de pessoas como Mário David que alimentou as fogueiras da Inquisição.

Comentários

ana disse…
Todos os dias e a toda a hora os católicos manifestam a sua fé. Se para isso for necessário dinheiro, usam o seu e o dos ateus. Acham-se nesse direito. Já os agnósticos e principalmente os ateus não têm o direito de manifestar a sua falta de fé! Aí revelam toda a sua maldade e a assustadora certeza do que fariam se tivessem mais poder. Sentem-se superiores, esclarecidos e iluminados porque eles sim, estão no caminho certo e não na escura e lamacenta estrada por onde se arrastam os ateus.
Quem é o Mário David? Regressará dentro de dias ao anonimato de onde o retirou esta intervenção. Saramago, no entanto, será sempre Saramago. Habituem-se!
Ricardo Campos disse…
tb acho q foi o comentario exagerado...
existem gaijos q perdem por falarem... enfim!
vi tor disse…
vergonhoso é ter um eurodeputado tão tacanho como este
andrepereira disse…
E o Sr. Vice-Presidente da bancada do Partido Popular Europeu, Dr. Rangel, o que nos diz? E as lideranças europeias da direita, como Sarkozy ou Merkel, deixam passar estes actos de política pouco europeia?
Este comentário foi removido pelo autor.
Eu fico perplexo quando quero falar de coisas bíblicas à maioria dos católicos que conheço. Eu, que sou ateu, sei razoavelmente mais do que eles. Pior: eles não sabem, nem querem saber!

Assim, se este livro de Saramago servir para elas pegarem na Bíblia e a lerem, já terá valido a pena, mesmo que seja só (ou especialmente) nas partes do Velho Testamento que inspiraram o escritor (que até nem precisou de inventar muito, pois o que escreve está quase tudo no texto sagrado...).

Há quem diga que, se isso suceder, Saramago terá prestado, paradoxalmente, um grande serviço aos crentes.
Duvido - porque a imagem do Deus cruel, vingativo, impiedoso e injusto contra o qual Caim se revolta (no livro), age exactamente como o Velho Testamento descreve.

«Os deuses foram feitos à imagem e semelhança dos homens», e o Senhor do Velho Testamento foi-o à imagem e semelhança dos homens do tempo em que foi escrito.

É natural, pois, que nenhum verdadeiro cristão, hoje em dia, se sinta confortável quando confrontado com isso.
andrepereira disse…
Não lêem, nem devem ler sós. Devem ser guiados pelo pastor.
HG disse…
Ainda ontem tive a oportunidade de dar uma vista de olhos na página deste tipo e aproveitei o ensejo para lhe enviar o seguinte e-mail:


"Exmo. Sr. Eurodeputado,

Permita-me fazer uso da minha liberdade de expressão, essa conquista democrática que V/ Exa. tanto despreza.

Venho pedir-lhe, não só em meu nome, mas também em nome de alguns milhões de portugueses que prezam a liberdade, para que evite proferir declarações de índole totalitária como aquela que proferiu hoje.

Queira V/ Exa. saber que no Artigo 37º da Constituição da República Portuguesa refere a liberdade de expressão e informação como um direito dos cidadãos deste país. Pois Saramago apenas fez uso desse direito que lhe é conferido. A opinião do Nobel da Literatura, partilhe-se ou não é legítima. Por outro lado, ao Sr. Eurodeputado é-lhe igualmente reconhecido o direito de discordar de tal declaração. O que já não é legítimo é o Sr. Eurodeputado vir à praça pública apelar para que o grande escritor português renuncie à cidadania portuguesa, como se para ser português fosse necessário ser crente. Para além de ser uma enorme desconsideração para os milhões de portugueses amantes da liberdade, também é uma enorme afronta para quem não é crente ou professa outras religiões. Apesar de uma parte dessas pessoas não ter votado no seu partido, tal como eu, não lhe fica nada bem proferir afirmações infelizes como a que hoje fez.

Sei que fez a sua ardilosa declaração apelando para que Saramago fosse avante com uma intenção que ele já antes demonstrara, mas tal estratagema do Sr. Eurodeputado só demonstrou uma coisa, o seu perfil totalitarista.

Como sou amante da Democracia e do meu país nunca poderia ficar calado, sem lhe demonstrar o meu enorme desagrado e vergonha pelas declarações proferidas por um cidadão português eleito democraticamente.

Espero que faça tanto pelo seu país como Saramago já fez por Portugal.

Saudações democráticas.

Do eleitor,
Helder"
HG:

Excelente manifestação de cidadania.

O Ponte Europa também serve para a divulgar.

Obrigado.
HG disse…
Obrigado Carlos Esperança,

Tenho aprendido com os melhores aqui no Ponte Europa.

Abraço,
HG
AI CARAMBA! disse…
Excelente comentário e reflexão. Obrigada :)
AI CARAMBA! disse…
Parece que não surtiu efeito.

Mensagens populares deste blogue

Insurreição judicial

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime