A teimosia de Vačlav Klaus

O conteúdo material do braço de ferro de Vačlav Klaus- uma cláusula de salvaguarda que não permita qualquer obrigação para a Rep. Checa relativamente às expropriações de bens de cidadãos alemães que se seguiram aos decretos Beneš- não é intrinsecamente condenável. Até é uma forma adequada de se colocar um ponto final, uma "prescrição" na Segunda Guerra Mundial.

O que é verdadeiramente deplorável é o timing em que a reserva é apresentada- esta condição nunca foi colocada até agora nem pelo Governo, nem pelas duas câmaras do parlamento , nem pelo próprio presidente (Vačlav Klaus), que segundo a constituição checa tem poderes para negociar tratados internacionais. Esperar pela ratificação de um ratado tão importante pelos restantes estados membros, e colocar condições de última hora (por muito razoáveis que essas sejam) em manifesta atitude de extorsão é inadmissível.

Comentários

andrepereira disse…
Concordo! Deve estar a aproveitar estas estórias da carochinha para tirar dividendos políticos internos. OS alemães já compraram tudo o que tinha interesse nos últimos anos e não precisam de compensações pelas terras perdidas...
Anónimo disse…
Sem kerer ser xenofobo... achei 1 erro tremendo da Tchecoslovakia formada em 1918 permitir a presença de alemães e magiares em seu territorio. Isso deu motivo pra Hitler e Horthy invadirem-na....

Mensagens populares deste blogue

Insurreição judicial

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime