Notas Soltas - Outubro/2009

Relações institucionais – O mês começou com uma audiência do PR a Sócrates após o violento e insólito ataque do primeiro ao partido de que o segundo é o secretário-geral.

PR – O DN noticiou que tinha substituído, há quatro meses, o responsável pela informática, nomeado por Jorge Sampaio, por um destacado perito, José Luís Seruya, licenciado em Teologia pelo Instituto de Estudos Eclesiásticos, que servira o Governo de Durão Barroso.

Irlanda – A expressiva vitória do sim dá novo fôlego à União Europeia, motivo de regozijo para todos os que se revêem no desafio colectivo de que depende o nosso futuro comum.

República – Os ataques da ditadura salazarista ao 5 de Outubro e a um dos mais destacados republicanos, Afonso Costa, permitem que os nostálgicos ainda sonhem com um regime em que o poder é vitalício e se transmite por herança.

Islamismo – Se a União Europeia deixa erigir mesquitas no seu espaço – como deve –, tem a obrigação de exigir reciprocidade aos países islâmicos para a construção de templos cristãos e sinagogas, bem como liberdade para os livres-pensadores.

Eleições autárquicas – Mais uma vez se provou que há apenas 3 partidos com implantação local: PSD, PS e PCP, sendo o BE uma ficção e o CDS a muleta do PSD.

Lisboa – A vitória de António Costa, por maioria absoluta, foi um retumbante triunfo que revelou a sua capacidade política para entrar no eleitorado à esquerda do PS e para sonhar com um futuro que não termina na Câmara Municipal.

Manuela Ferreira Leite – É penosa a permanência na liderança do partido, mero interregno para dar tempo aos vários candidatos que lutam pela data que a cada um mais interessa.

Jornal «Público» – A revelação de José Manuel Fernandes, na RTP-1, de que a fonte de informações de Belém não era apenas Fernando Lima, deixa o PR numa posição insustentável enquanto o seu silêncio agrava as suspeitas em que se deixou envolver.

Escutas – Depois da encomenda feita por um assessor do PR ao «Público», para publicar suspeitas sobre escutas, com prejuízo claro para o Governo e o PS, é altura de fazer justiça a Ferro Rodrigues, vítima de cabala e da violação do segredo de justiça.

Madeira – Os contínuos atropelos à liberdade, a falta de controlo democrático e o agravamento do poder autocrático de Jardim, transformaram o pequeno arquipélago num espaço onde se despreza a lei e se enxovalham os órgãos da República.

Vaticano – Realizou-se o primeiro dos encontros previstos com a Fraternidade S. Pio X, excomungada por João Paulo II, revelando a sintonia e desejo de reconciliação de Bento XVI com o grupo abertamente fascista e anti-semita.

Governo – Com o PS sem maioria absoluta, o PSD dividido em várias minorias e o PR cada vez mais fragilizado, vai ser difícil governar e prever se o País aguenta a campanha eleitoral que se julgava terminada com as eleições autárquicas.

Governo 2 – A presença de 5 ministras, ainda longe do desejável, é uma surpresa que rompe com hábitos antigos e dá um toque de modernidade a um país que se atrasou na participação das mulheres na política.

Colégio Militar – As praxes e a violência primária de matilhas académicas são nódoas que ferem as mais reputadas escolas. As praxes tornaram-se assuntos de polícia que envergonham as instituições e perpetuam práticas fascistas.

José Saramago – Aos 87 anos, o Nobel do nosso júbilo continua a enriquecer a literatura mundial e a provocar ódios que críamos extintos com as últimas fogueiras da nossa vergonha.

Caim – Nunca um romance despertou tão acesa polémica em Portugal. Que os clérigos percam a cabeça pela mitra, entende-se; que a percam por um livro é sinal de intolerância; que um eurodeputado deseje outra pátria para o autor, é insanidade.

União Europeia – O exótico presidente Vaclav Klaus fez chantagem para assinar o Tratado de Lisboa, depois de aceite pelos órgãos legais checos, mostrando o risco da exigência de unanimidade na tomada de decisões importantes.

Paquistão – O terror alastra numa onda de sangue, à medida que o fanatismo se exacerba. Os talibãs são terroristas que interpretam mal o Corão ou que o levam bem a sério?

Gripe A – Controlado o alarmismo criado por uma doença mais benigna do que a gripe normal, surgem suspeitas sobre as vacinas e, com estas, desvairadas especulações sobre conspirações e interesses de laboratórios.

Corrupção – Os fortes indícios que pairam sobre altos quadros da administração pública e atingem serviços do Estado, autarquias e empresas públicas, são a lepra que corrói a democracia e desmoraliza um país que tende para o abismo.

Segredo de Justiça – A reiterada violação lança dúvidas sobre a investigação e os seus objectivos. A impunidade dos acusados arrasa a confiança na Justiça e estimula, quem não tem escrúpulos, a reincidir no crime.

PSD – Na corrida à liderança do partido, as hostes de Marcelo já abriram a época da caça ao Coelho (Pedro Passos).

Comentários

e-pá! disse…
"Governo – Com o PS sem maioria absoluta, o PSD dividido em várias minorias e o PR cada vez mais fragilizado, vai ser difícil governar e prever se o País aguenta a campanha eleitoral que se julgava terminada com as eleições autárquicas..."

Aparentemente, perante tantas fragilidades da oposição visível e da invisível, acrescida de uma campanha autárquica que correu bem ao PS, a situação do governo mais parecerá uma transitória maioria absoluta "caída do céu"...

Quanto a campanha eleitoral - ela continuará. Dentro do PSD!
.
syren disse…
Nem uma palavra sobre o Caso Vara, Godinho e Penedos ? Que curioso comportamento quando a corrupção bate à "nossa" porta. Viva a avestruz!
MFerrer disse…
O que é que este syren sabe sobre os Vara, os Godinho e os Penedos que a nós nos escapa?
O que é que, estando em segredo de justiça ( Eu repito: de Justiça! porra! ), anda a ser publicado por irresponsáveis e por venais, ao serviço doutros que tais que querem amesquinhar a democracia e os seus valores? Só os que pretendem arrasar a democracia atacam e minam a Justiça!
A quem servem estas divulgações parciais de processos, em investigação? Haverá algum juiz digno desse nome que pegue agora neste caso e tenha um mínimo de respeito pela verdade material, pela lei substantiva e despreze a adjectivação vulgar e o nacinal-merdismo?
MFerrer
http://homem-ao-mar.blogspot.com
syren disse…
Oh Mferrer, veja la se entende que eu nao sei mais do você, apenas me referia ao facto deste post não referir o que para todos nós parece ter sido a "noticia da semana". Apenas isso. Mas vi que ficou tocado. Porventura é daqueles que quando é o partido da direita a ser tocado por noticas destas, fica todo excitado e desata a bradar aos céus as iniquidades deles..mas quando é o seu partido...ui...fica possesso. Se não conhece os Godinho e os Vara então não conhece este país e as suas opiniões valem um tostão furado.

Mensagens populares deste blogue

Insurreição judicial

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime